cuba 50 anos da revolução

06/04/2010


Fotos (mal)feitas a partir do Jornal Gramma, órgão oficial do Partido Comunista Cubano. Mostra o que o trabalhador cubano pôde fazer de uma bicleta um meio de transporte coletivo e de sua revolução em 1959 um despertar para toda América Latina. Hoje cercada pelo embargo dos EUA, cada vez mais isolada, mesmo no pensamento dos partidos de esquerda, burocratizada, mas mesmo assim merece ser defendida pelo que significa na luta contra o imperialismo e pelo socialismo. Assim como defendemos um sindicato invadido pela polícia, mesmo que dirigido por uma burocracia anti-operária, corporativista e até mesmo de direita; da mesma forma não pode haver dúvida que devemos defender o que resta de propriedade estatal em Cuba, apesar da burocracia cubana, autoritária e contra-revolucionária. Defendemos apesar dos pelegos e apesar da burocracia.
Vi, pena que não anotei, nem tinha meios de fotografar ou gravar, um documentário onde um trabalhador vietinamita pedalava com três porcos vivos, amarrados na sua bicicleta. Gravou na minha mente quase a fogo, pois vietcong, como eram chamados os vietnamitas pelos estadunidenses invasores, queria dizer, pelo menos é o que diziam no início da década de 70, porcos do vietnã. E, com certeza, eram como os invadores estadunidenses e os traidores chamavam os guerrilheiros. Não devia ser um elogio.

PS. Quem quiser ser comunicado, via e-mail, por novos textos postados, contate-nos pelo e-mail mariomartinsdelima53@gmail.com e será acrescentado(a) na lista Jornal do Porão.