PEDRO VERMELHO, de “UM RELATÓRIO PARA UMA ACADEMIA” , um conto de Kafka

31/07/2017

Um grafiteiro que leu Franz Kafka.

16.05.17-J.B.Dunlop-Av (1)

16.05.17-J.B.Dunlop-Av/GRAFITE// foto de Mário Martins de Lima////////////PEDRO VERMELHO, de “UM RELATÓRIO PARA UMA ACADEMIA” , um conto de Kafka

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

“Justamente a renúncia a qualquer obstinação era o supremo mandamento que eu me havia imposto; eu, macaco livre, me submeti a esse jugo”

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

” Li recentemente num artigo de algum dos 10 mil cabeças-de-vento que se manifestam sobre mim nos jornais, que minha natureza de símio ainda não está totalmente reprimida; a prova disso é que, quando chegam visitas, eu tenho predileção em despir as calças para mostrar o lugar onde aquele tiro entrou”

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

” Dito de passagem: é muito freqüente que os homens se ludibriem entre si com a liberdade. E assim como a liberdade figura entre os sentimentos mais sublimes, também o ludíbrio correspondente figura entre os mais elevados. Muitas vezes vi nos teatros de variedades, antes da minha entrada em cena, um ou outro par de artistas às voltas com os trapézios lá do alto. Eles se arrojavam, balançavam, saltavam, voavam um para os braços do outro, um carregava o outro pelos cabelos presos nos dentes. “Isso também é liberdade humana”, eu pensava, “movimento soberano”. Ó derrisão da sagrada natureza! Nenhuma construção ficaria em pé diante da gargalhada dos macacos à vista disso.Não, liberdade eu não queria.”    

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

” Se chego em casa tarde da noite, vindo de banquetes, sociedades científicas, reuniões agradáveis, está me esperando uma pequena chimpanzé semi-amestrada e eu me permito passar bem com ela à maneira dos macacos. Durante o dia não quero vê-la; pois ela tem no olhar a loucura do perturbado animal amestrado; isso só eu reconheço e não consigo suportá-lo. Seja como for, no conjunto eu alcanço o que queria alcançar. Não se diga que o esforço não valeu a pena.

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

links

(1) UM RELATÓRIO PARA UMA ACADEMIA , um conto de Kafka
( 2) audiolivro – “Relato a uma Academia” – Franz Kafka