Chácara dos Sonhos III – Eritrina-verde-amarela – Erythrina variegata

25/02/2013
Eritrina Verde-Amarela, Erytrina Variegata

Eritrina Verde-Amarela, Erytrina Variegata. Foto Mário Martins de Lima

Origem: Austrália, Índia, Malásia e Filipinas. Novamente Policarpo Quaresma vai ficar puto. Quais plantas e flores do Brasil são realmente espetaculares? E quantas povoam as ruas de nossas cidades, além das matas? Minha Chácara dos Sonhos, até agora, só tem planta estrangeira.
E minha querida mariazinha, da minha puberdade sacana, também é uma planta estrangeira é uma planta exótica e invasora.

Eritrina Verde-Amarela, Erytrina Variegata (2)

Eritrina Verde-Amarela, Erytrina Variegata (2). Foto Mário Martins de Lima

.
……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..
A Erytrina Crista-Galli, diz a ficha, é originária do sul do Brasil, Argentina e Uruguai, onde foi declarada “flor nacional”.
Pela minha observação é uma flor de beija-flores.
Eritrina branca. Foto Google

Eritrina branca. Foto Google

erytrina crista-galli, vermelha

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………
………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

links

01. Eritrina-verde-amarela – Erythrina variegata

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

Vocabulário 

Variegata (va.ri:e.ga.do)

a.

1. Que apresenta cores variadas ou diversas; MATIZADO

2. Diverso, diferente, vário: Em sua pesquisa, encontrou plantas de variegadas espécies.

3. Bot. Que apresenta variegação

[F.: Part. de variegar.]
Read more: http://aulete.uol.com.br/variegado#ixzz2MDDIPf00

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………


Plantas e flores, brincadeiras; e garça.

30/05/2012


Vermelho: antúrio. O Branco: não sei o nome, apesar de sua presença em qualquer varanda. Fiz incansáveis fotos. Deveria registrar todos meus “estudos” neste blog. Na verdade, apontamentos. Quem souber me ajude. Qual o nome desta flor branca?

Queria brincar e peguei a câmera. Vagabunda. Sem recursos. Um dia compro uma com alguns recursos, para registrar detalhes e brincar com eles. Adoro fotografar detalhes. Esta câmera limitada não permite mais que isso, acho. Adorei ficar brincando com as aparências.

Esta garça de hábitos noturnos, registrada em 02 de abril de 2011, na Praça da República em São Paulo. Neste último ano não consegui esquecê-la. E nunca vou esquecê-la. E nem sabia que ela existia. E nunca poderia pensar que “morava” no centro de São Paulo. Saía de uma reunião política, com gente que pensava em política e topei com uma garça. Viva.

001 by Jornal do Porão

Claro que além de banal foto de flores e plantas é bem banal. Até medíocre. Quase sempre odeio a banalidade. Não acho plantar e cultivar banal. Mas adoro registrar as plantas, principalmente as que cultivo. E insisto em mostrá-las. Quase ninguém dá importância. E não condeno. Também odeio as banalidades. Mas também adoro coisas banais, foto de flores, Corinthians ou mesmo futebol de várzea. Gostaria de fotografar o futebol de várzea. Os muros das cidades: grafites, frases, palavrões. Também é um motivo para andar pelas ruas.
001, a photo by Jornal do Porão on Flickr.

A banalidade é o mal. Mas adora as fotos que eu tiro das flores e plantas. Deveria não mostrar para ninguém. Mais ainda: adoro cultivá-las e depois fotografá-las. Penso mesmo em comprar um câmera potente.

QUEM SE INTERESSAR PELAS FOTOS CLIQUE SOBRE A FOTO MAIOR E ACESSARÁ UM ÁLBUM NO FLICKR

Achei que, apesar de toda a brancura, aquela garça estava também aqui. Além da banalidade, amo e odeio São Paulo.
…………………………………………………………………………………………………………………………………….
galeria de fotos. Flores da Casa de Maria Dutra de Lima