Caravaggio (III), de Gilles Lambert

03/08/2012

Biblioteca Mário. XII-000.001

“Caravaggio(II),(I) é o pintor mais misterioso e, sem dúvida, o mais revolucionário da história da arte” p. 7

“Em Roma, trinta e quatro anos depois da morte de Miguel Ângelo, ele esteve na origem de uma reacção violenta contra o “Maneirismo”, … Impôs um nova linguagem realista e teatral, escolhendo em cada tema o instante mais dramático, recrutando os modelos na rua, memso para as cenas mais sagradas, como A Morte da Virgem, não hesitando em pintá-los de noite, o que poucos artistas, antes dele, tinham ousado. Ele proclamou o primado da natureza e da verdade”. p. 7

“Foi para a pintura, a apoteose do que veio a ser chamado, mais tarde, de  arte barroca. A época, na chameira dos séculos XVI e XVII, está repleta de furores, de excessos e de êxtases. Do concílio de Trento saiu a Contra-Reforma: ao rigor de Lutero e de Calvino, que baniram os quadros e esculturas dos santuários, os papas e os Jesuítas opunham uma abundância de imagens, de ornamentos, de cores, de contrastes, de decorações com vista a deslumbrarem os fiéis e afirmar a supremacia de Roma. Claudio Monteverdi acaba de inventar a ópera. A obra de Caravaggio explode nesta tormenta e amplifica-a. Nicolas Poussin, qu chegou a Roma um pouco depois da morte de Caravaggio, declarou: “Ele veio para destruir a pintura”
………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

Slideshow

Este slideshow necessita de JavaScript.

Dois movimentos de Selva Morale et Spirituale, de Claudio Monteverdi.


……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

Galeria

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

links

01 . Escola Veneziana
02 . Caravaggio (I): sexo, violência e deus
03 . Caravaggio(II): deuses, anjos e homens: adolescentes.


A Serbian Film e Caravaggio

14/07/2012


NOLDE

15/06/2012

nolde

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

 

biblioteca Mário 000.006

 

Todas as vezes que vou folhear “A grande arte na Pintura”, da editora Salvat, e vou em busca desde quadro.  Sempre vou em busca de duas reproduções, esta e o auto-retrato de Dürer. Tô sabendo agora que Nolde é expressionista. Sabia que de Munck, o grito, por ter sido roubado é expressionista. E que Dürer tem forte influência da pintura italiana. É, sempre, o máximo que consigo lembrar. Mas quando olho para estas reproduções fico com um sonho besta e impossível de viajar para ver estes quadros (e aí outros). Fico puto de só poder ver reproduções que nem sei se são de qualidade ou não. Estas da Salvat devem ter alguma qualidade, pelo menos não impedem que se tenha algum impacto.

Agora sei que  Dança em Torno do Bezerro de Ouro está na Galeria de Arte Moderna de Mônaco. A reprodução da Salvat ocupa quase 4/5 de duas páginas abertas. Joga na loteria. Quem sabe…

E não consigo achar na Internet, para postar aqui, duas outras reproduções de Nolde, também na Salvat, que revejo sempre com grande prazer.Papoilas Rosas e Amarelas (coleção particular, Munique) e Figura e Máscaras (Museu de Arte da Basiléia). Esta última é a influência das máscaras africnas que dominou a arte moderna de todo o século XX.

Papoilas rosas e amarelas. Na internet tem várias reproduções de Nolde, com flores. Mas nenhuma delas me tocou, nem aproximadamente, como a reprodução do fascículo da Salvat.

Nolde, máscaras

Figura e Máscara. Não é Figura e máscaras cuja reprodução dos fascículos da Salvat me fascina. Na cena, a máscara em amarelo traços pretos tem uma força maior que estas, lembrando as máscaras da exposição “Memória e Altar”. Mesmo porque este quadro aqui tem expressões próximas das máscaras teatrais, acho. As máscaras africanas e a de “Figura e Máscaras” tem maior proximidade com aquilo que, dizem, as máscaras africanas são representações vinda de dentro, espirituais. Por isso, inclusive, por virem de dentro são muito diferentes uma das outras, apesar de serem muito comuns em uma vasta região da áfrica. Mas estão impregnadas de individualidade, ao mesmo tempo em que representam um homem geral, abstrato.[Em breve farei uma resenha de um livro sobre máscaras africanas que leio]. As máscaras teatrais representam sentimentos gerais, alegria,dor, etc. Nas máscaras africanas contam  os sentimentos do indivíduo que  construiu aquela máscara particular para suas relações com os ancestrais e suas crenças.  E a figura, representando um escultura africana tem mais força ainda. Pena não ter achado na Internet.