Em defesa do Jornal do Porão, de seu criador e de todos nós.

04/03/2013

IDÉIAS SE COMBATEM COM IDÉIAS

Publicado em 14 de novembro de 2009.

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

ARQUIVOS PÚBLICOS EM PERIGO.

Incêndio na biblioteca do IEL. Qual será o próximo? 

Republico porque por escrever e-mails defendendo o Arquivo Edgard Leuenroth me custou várias e várias admoestações, pressões, chamadas nos cantos, nas salas, para ouvir ameaças veladas, algumas explícitas, outras aos brados. Depois por falar do descalabro que era a situação da biblioteca do IFCH que inundou, torrencialmente, como foi torrencial a inundação no AEL (não foram infiltrações, nem goteiras, nem os destelhamentos atualmente constantes no AEL, mas inundação torrencial, colocando em risco memoráveis acervos. Contra o silêncio conivente dos responsáveis e sua pressão constante sobre quem ousou perguntar , onde estão e quem são os responsáveis e que medidas tomaram para que não mais aconeça. Mas aconteceu novamente no IEL.

É preciso mudar, radicalmente, a maneira de tratar os acervos e documentos da história.  Não são medidas paliativas, mas mudanças.  É preciso mudanças urgentes e centralizadas. É preciso ter um órgão central para cuidar desse patrimônio histórico, tonto do AEL, CEDAE, Centro de Memória e bibliotecas. É só fazer uma visita a cada um desses prédios para ver diferenças enormes de equipamentos, de condições para a preservação (armários, ar-condicionado, prédios, recursos técnicos) para logo se notar que a própria disparidade de tratamento expõe o problema.  Essa multidão de locais serve a uma coisa óbvia: criar diretorias, poderzinhos, chefias aos montes. É indefensável.  E os prédios não tem condições. O melhor deles, ou a pirâmide branca, concentra problemas gravíssimos: Ar-condicionado de 600 mil reais que nunca funcionou e inundou torrencialmente o arquivo, janelas que vivem caindo, telhado que destelha a qualquer tempestade de verão. Estamos falando do melhor. Não fui à Unicamp, mas garanto que se houve incêndio no biblioteca do IEL a primeira coisa que suportará é estes predinhos fuleiros, os “pinotinhos”.

É preciso de um arquivo único. Num mesmo prédio. Com diretoria única e enxuta (nada dessa proliferação de inúteis chefias). Com um tratamento que merece a memória das lutas e da culttura desse país. Nada da suntuosidade novo-rico de um tal BORA. Que um prédio para todos os arquivos tenha um andar, por exemplo, para obras raras.

É preciso de um único prédio para todos os arquivos, e até mesmos para as bibliotecas, planejado para alta-segurança (como se faz com os inúteis prédios militares no mundo todo – suponho). Ar-condicionado dimensionado por firmas de renome. E um corpo de bombeiro (com funcionários públicos concursados), com permanente treinamento, com funções de prevenção cotidianamente supervisionadas e relatadas, com um contingente que trabalhe durante 24 horas. Acho que já corremos riscos demais.

E dinheiro. Recente reportagem dava conta de que havia “restos de caixa” enormes da Fapesp e das Universidades. A Unicamp, recentemente, comprou uma fazenda. Provavelmente para sua megalomania tecnológica. Mais provavelmente para trabalhar para o agronegócio e indústrias. Com essa rendição completa ao capitalismo quem acredita que a Unicamp se preocupará com arquivos e memórias? E as chamadas ciências humanas, seus dirigentes e professores, com seu complexo de vira-latas não chiarão. Espremidos chiam baixinho, se chiarem.

O ditado popular “Bom cabrito não berra” é um difamação dos rústicos e briguentos cabritos. Talvez o lado ultra-conservador da mentalidade popular quer transformar o cabrito, tão rústico, montanhês, devoratudo, altivo, marrento, escandaloso,  num desprezível carneiro. A mesma mente que quer transformar  a luta em  colaboração cidadã.

Foram exatamente os próceres da ciências humanas, tão  admirada esquerda universitária, a tentar me calar. Mário Medeiros, aluno dessa esquerda universitária, ainda, e espero, não corrompido e não será corrompido, espero, e como dói a esperança, pelos cargos e comissões, pode e pôde, ainda, se solidarizar com o debate que , mesmo sob pressão e ameaças, continuei propondo. E continuo. Vida longo a esse meu amigo Mário Medeiros.

Escrito por Mário Martins de Lima, editor desse, em 04/03/2013

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

Doutorado, Mário Medeiros

Doutorado, Mário Medeiros

Mário, leitores e colaboradores do Jornal do Porão,

Como prometi, escrevo.

Só pude fazer isso agora, com pouco mais de tempo e depois de ler as mensagens enviadas pelos outros, além das do antigo Editor/ Redator-Chefe do Jornal.

Este texto não é só um desagravo em favor de Mário Martins de Lima, meu xará, meu amigo de todos esses anos na Unicamp. É também uma tentativa de defender o livre pensar, a expressão do posicionamento perante os fatos. Coisas que nosso editor chefe sempre defendeu.

Idéias se combatem com com idéias. Contra um texto, outro texto. Contra um manifesto, outro manifesto.

O ato de acochambrar pelo poder, alcoviltar, escorchar e tomar atitudes numa relação de desigualdade (chefe-subordinado) é o elogio da estupidez. O chefe que precisa usar da força – censurar, chamar em sala, beco, alcova, colocar no canto, ameaçar, impor-se pelo cargo – demonstra que a sua suposta autoridade não possui nenhuma legitimidade, para além do cargo institucional e do medo que inspira. Respeito, então, nem se fale. É um estúpido. Uma besta com polegares. É indigno de ser chamado de intelectual, de pensador. É o ato de um delinqüente acadêmico, de homem-dispositivo, na melhor acepção que deram a esses termos Maurício Tragtenberg e Franciso Foot Hardman.

Mário Martins edita seu Jornal do Porão corajosamente. Expondo aquilo que observa, que deduz, que pensa, que conclui dos fatos quotidianos, referente à Universidade, ao seu local de trabalho, à cidade que adotou, ao país em que nasceu e aos fatos que viveu nos últimos quarenta anos de história. Ganha muito com isso. O debate com alguns interlocutores sérios e abertos lhe faz bem. Mas também ganha a violência quotidiana da censura, da ameaça, da intimidação. Ossos do ofício. Alegria e dor da atividade.

Suas opiniões, até mesmo por alguns dos leitores do seu Jornal, foram consideradas fortes, incômodas, desagradáveis ou deselegantes.

Curiosamente, a não ser pelos chefetes ilegítimos e os cidadãos delinqüentes, jamais o adjetivo mentiroso (ou seus sinônimos) foi associado às opiniões que expõe.

Ele não gosta de memórias. Presenciei, há algumas semanas, na companhia de nosso atual editor – Newtinho Peron – um momento raro: Mário Martins dando uma entrevista para dois estudantes. O tema era “Ignorância”. Pediam os dois estudantes que meu xará discutisse sobre isso. Algo que parece tão geral não o melindrou. E ele ali, numa sala do AEL que tanto defende, expôs o que pensava sobre o assunto. Tomando a idéia de ignorância como fio condutor, Mário repassou a sua origem, de como passou de trabalhador rural, cortador de cana no interior de Minas Gerais, a um dos principais líderes da greve de Campinas em 1978. De sua vinda a São Paulo com a mão na frente e outra atrás, em meados dos anos 1960 a aluno de Ciências Sociais na PUC-SP, tendo como mestre Maurício Tragtenberg. De operário que lia livros de Marx sentado nas latrinas fétidas das fábricas ao militante da Libelu e do PT. Do apreço por Freud, dos filósofos alemães, de Euclides da Cunha, Guimarães Rosa, Dostoiévski e toda boa Literatura que lhe caia nas mãos. De música clássica, de história do cinema, de Poesia Concreta, da paixão pela Tradução e o estudo das línguas, dos debates sobre os problemas nacionais. Do futebol, do sexo, das relações humanas, vista pela Psicanálise e pela Sociologia. E, principalmente, do silêncio dos intelectuais – o que sempre mais o incomoda e o que mais combate.

Mário Martins não gosta de memórias. Eu tomei como ofício entender as memórias alheias. Eu sempre quis que ele escrevesse as suas – coisa que ele revelou numa das edições deste Jornal. E começou a fazê-lo. Mas parou. Entretanto, quem o conhece e tem a possibilidade de trocar dedos de prosa com ele – o que não é difícil – sabe que as suas memórias perpassam os debates que ele propõe. Mas não é a memória morta, dos fatos assentados e bem organizados que o encanta. É a a vida, o eu como potência, a pulsão da vida que o faz detonar os fatos que viveu, atrelá-los com o presente e, de alguma maneira, provocar seu interlocutor. Sempre um provocador, o Mário Martins.

Com Mário Martins o debate é sempre franco, aberto, sem meandros, direto. Olho no Olho. Idéia com idéia, contra idéia outra idéia. Em voz alta, sem sussurros, sem modulação menor. Alguns dos seus interlocutores – como foi dito por leitores desse jornal – não concordam com o tom, melindram. Eu já discuti muitas vezes com meu xará. Já disse e ouvi coisas ásperas. E isso nunca me fez perder o respeito ou perder o seu respeito. Idéia com idéias, idéias contra idéias.
Gosto de memórias, ao contrário de Mário Martins. Mas, como ele, não gosto de contar as minhas. Farei aqui uma breve licença a nós dois.

Greve de 2011

Greve de 2011

Conheci meu xará na primeira greve que participei na minha vida. Era o meu primeiro ano de Unicamp, meus primeiros meses, em 2000. Houve uma manifestação, na Praça da Reitoria, em apoio a greve dos funcionários públicos. Eu fui até com alguns amigos, todos ingressantes em Ciências Sociais. Falas, debates, carro de som, alto-falantes etc. O comum nas manifestações. Ainda existia o antigo bandejão na praça, que estava lotada. As pessoas passavam, olhavam, paravam. Alguns estudantes de vários cursos estavam por ali e, como se aproximava o horário do bandejão abrir, ficavam. Debaixo de uma árvore, perto do carro de som, de camiseta e calça azul, um homem com bigode, altura mediana interpela um membro do sindicato que falava no carro de som. Ele não precisava de microfone. E o que mais me chamou atenção é que a maioria das pessoas ali o conheciam – funcionários e estudantes, alguns professores. O homem com bigode e todo vestido de azul falava alto, grosso, gesticulava muito. Em resposta, recebia o apoio de várias pessoas que estavam na Praça. Questionava de dedo em riste quem falava no carro de som. Pediram que falasse ao microfone. As idéias eram claras, diretas, distintas. Podia-se discordar delas. Causavam estranhamento em alguns. Mesmo com microfone, o homem de azul não baixou o tom de voz. Gritava. Estava indignado com o sindicato, com os funcionários, com os professores, com a reitoria, com os estudantes, com todos. Refletia, conclamava à reflexão, expunha fatos, denunciava, propunha. Recebia aplausos, jamais uma vaia. Sinais de apoio, como também sinais de desaprovação. Mas ninguém jamais correu ao microfone para lhe dizer “É mentira!” Ou o chamou de mentiroso na praça. Mesmo os interlocutores acusados de desleixo com as lutas dos trabalhadores o respeitaram. Jamais um mentiroso. Contras idéias que lhe foram lançadas, retornou com outras.

Não sei porque eu associei o homem de bigode e todo vestido de azul com o nome de Pedro. Alguns meses depois eu comecei a fazer uma pesquisa, cuja fonte material descobri que se encontrava no AEL. Fui até lá e eis que o homem de azul – acho que agora sem bigode – era o atendente do arquivo. Não tive dúvidas. “Bom dia, seu Pedro”. Cometi dois equívocos no mesmo cumprimento. Chamá-lo de senhor e trocar o nome. O primeiro ele corrigiu na hora. O segundo demorou muitas semanas para corrigir – o que serviu para muita piada ao meu respeito. Na minha primeira pesquisa, de iniciação científica, comecei e consolidei minha amizade com o meu xará. No balcão de atendimento do AEL, muitas vezes, conversamos horas em pé. Fomos tomar café na sala dos fundos ou fora do arquivo. Discutimos ásperamente. Trocamos confidências, livros, cds. Descobrimos gostos comuns e divergentes. Enfim, nos tornamos amigos. Conhecemos outros amigos, que formaram um negócio aberto chamado O Café das Cinco. Por quê o nome? Porque às 17h, cinco da tarde, acaba o expediente no AEL. E durante muitos meses, vários de nós, amigos do Mário Martins, chegamos perto do horário do aquivo fechar para tomar um café com ele. Muitas vezes, alguns dos seus chefes o censuraram por aquela concentração no balcão e na porta do arquivo. No Café das Cinco, sediado no cantina da Matemática, ficamos muitas vezes até o Marcão – dono da cantina – fechar. Fazendo o quê? Trocando idéias, debatendo idéias, compartilhando idéias, combatendo idéias, refutando idéias. Em alto e bom som. Podia parecer às vezes que estávamos até brigando. E quem sabe estivéssemos? Mas ali todos se respeitavam por suas idéias, pela defesa dos seus argumentos. Ali não era lugar de mentiras, de ficar em silêncio, de sussurrar, ameaçar, melindrar. Olho no olho, cara a cara. Idéia com idéia. Contra idéia, outra idéia. Futebol, literatura, sociologia, política, sexo, homossexualismo, família, paternidade, maternidade, cinema, música, dança, pesquisas, greves, memórias, textos (nossos)… tudo discutimos ali. Trocamos livros, impressões, discos. Várias monografias, dissertações, teses e livros agradecem o Café das Cinco e seus membros. E, especialmente, Mário Martins de Lima. O Bigode. O Homem de Azul. O Bartleby Falante (ver Hermam Mellville). O Velho Safado (ver Charles Bukowiski). O Porteiro do AEL. O xará. O Mário.

Francamente. Diretamente. Prá valer, como tem que ser.

Acho que está bom essas duas memórias.

Escrevi no começo que este texto é um desagravo em favor do Mário Martins de Lima, meu xará e meu amigo.

É também uma defesa do Jornal do Porão, este espaço democrático que o Mário criou para poder expor suas e nossas idéias.

Mas é também uma defesa daquilo que tem pautado as relações e ações do Mário, das quais muitas pude estar presente e observar.

IDÉIAS COM IDÉIAS, CONTRA IDÉIAS, OUTRAS IDÉIAS. CONTRA UM TEXTO, OUTRO TEXTO. FRANCAMENTE. DIRETAMENTE. DEMOCRATICAMENTE.

Mário Augusto Medeiros da Silva

clique aqui para ler todas as edições do Jornal do Porão

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

links

01.Biblioteca do Iel na Unicamp é atingida por incêndio

02. Incêndio atinge prédio da biblioteca do Instituto de Letras da Unicamp

03. nota da Unicamp (sobre o incêndio)
04. Fotos dos Estragos na Biblioteca IEL Unicamp
05. Incêndio na biblioteca pública Luis Bessa, Belo Horizonte
06.Fogo destruiu interior de casa que foi moradia de poeta Castro Alves.
07 Presença de dois vigias minimizam o incêndio na Biblioteca Luis Bessa, projetada por Oscar Niemayer
08.Chuva inunda sala de obras raras de biblioteca da UFRJ Alba Valéria Mendonça, O Globo, 3 de dezembro, 2003 (com obras raras)
09.Chuvas inundam arquivos do Instituto Micael, Peruíbe
10.A privataria arruina a Biblioteca Nacional, Elio Gaspari

Anúncios

UMA SEGUNDA MORTE PARA CLÓVIS GARCIA

29/06/2012

Uma estória do Café das Cinco. Para o Mário Martins.

Clóvis Garcia morreu vítima de um erro médico, que não diagnosticou uma apendicite, confundindo-a com excesso de gases no intestino. Supurada, o matou. Uma morte ridícula, todos concordaram, para alguém como ele. Uma morte ridícula, com um homem ridículo, estendido numa cama de hospital público, na área reservada à caridade aos pobres, ladeado por cortinas de banheiro e outros moribundos, com uma amante envelhecida aos pés de sua cama, chamada às pressas por aquele homem, agora tão comum e mortal, implorando perdão, juras e amor eterno. Um homem, uma cena, um quarto: fotografia amarelada pelo tempo, queimando e incensando a memória.

Quando, por fim, o lençol azul e manchado lhe cobriu a face inerte, Clóvis Garcia deixou, oficialmente, de existir. E, protocolarmente, com ele, toda a falta de potência de ser que os últimos anos acompanharam, colados à pele como uma armadura de ferro. Os anos foram implacáveis com Clóvis Garcia, e ele se deixou abater, não fazendo jus à personagem que construiu sem muitos dedos ou cuidados. Um herói é um arquiteto e o único responsável pelo edifício de símbolos e desejos que ergue em torno de si.

No fundo, apesar de mito coletivo, um herói é solitário.

E agora, Clóvis Garcia? Agora que você é isto: um pesado corpo de 120 quilos, um aglomerado de carne, sebo e sangue que, dentro em breve, irá se enrijecer e feder. E que uma infecção generalizada continua a lhe comer as entranhas, as forças que lhe vinham das entranhas, enquanto esta pele ainda tem algum calor e suor para perder? E o médico, Clóvis? Sorrindo amarelo para mim, explicando sem explicar o erro. Sem processo, ele pede. Em outros tempos, você o mataria, o esganaria milhares de vezes, sem suar. E agora, Clóvis, que sua velha amante recheada de perfume barato e dançando na calcinha larga e suja com a qual eu a encontrei e com a qual mal se vestiu e veio rapidamente te visitar, depois de todos estes anos? E agora, que ela molha a minha camisa com estas lágrimas que, tenha cá para nós, são falsas; molha e mancha não somente as minhas roupas, mas a sua memória. Clóvis Garcia, enquanto ela chora por você, alisa o meu pescoço, roça suas coxas nas minhas. Enquanto vêm os homens do necrotério, eu a levo para casa e você bem sabe o que irei fazer para consolá-la, Clóvis. Nos áureos tempos, você faria o mesmo.

Agora, Clóvis Garcia, você repousa debaixo de sete palmos de terra, ridículos e comuns, com suas pernas quebradas por nós, pois seu corpo não cabia neste caixão barato. E dentro em breve, seu corpo começará a inchar, suas extremidades crescerão e serão comidas por vermes, bem como seus olhos. Esta roupa que os amigos fizeram uma vaquinha para comprar no brechó, se deteriorará. E a pressão da terra sobre a madeira de terceira quebrará o caixão. Os vermes que entrarão comerão as carnes, dançarão nas órbitas vazias. E quando não for mais que ossos, cabelos e mau cheiro, virão os coveiros, comandados pela Administração do Cemitério Municipal, para lhe exumar o corpo, quebrar-lhe os ossos restantes e colocá-lo numa parede, com um número qualquer, dentro de uma caixa, ladeado por milhares de outros. Você ocupa muito espaço, Clóvis, no maior cemitério da América Latina.

E, daqui alguns anos, quando for a minha vez de morrer, ninguém mais se lembrará de você. Os poucos presentes no enterro comentarão a indignidade de você não ter sido cremado, Clóvis. Mas o fato é que você estava ali para ser degustado, não é?

Nem lhe depositarão flores, nem lhe acenderão velas, nem lhe cantarão os feitos, nem lhe suspirarão de amores, nem lhe repetirão o nome. Mas há muitos anos que não lhe fazem nada disso, Clóvis. Você sabe: a história oficial que hoje o Sindicato escreve não tem seu nome em lugar algum. As greves que ajudou a garantir, à base de balas e falas de seus revólveres, dizem agora que foram feitas à uma mesa de negociação. Negociação, você, Clóvis? E o dinheiro? E o dinheiro, Clóvis? Aquele dinheiro que você e outros roubavam e que eu calei, com quem estará, Clóvis? Com quem estará? Você dizia, rindo muito: Tenho fé no materialismo. Hoje e sempre. E sou herói.

Este slideshow necessita de JavaScript.

E as mulheres, Clóvis, onde andarão? Quantas vezes as levamos para a cama, para o chão, para o mato, para
detrás das estantes, para atrás dos carros de som, para quartos de limpezas e outros lugares mais, depois de nossos discursos, de nossas ações extraordinárias? Todas queriam dormir com o herói. E ele era você, Clóvis. Nós só pegávamos carona na sua fama. Hoje, elas querem dormir com o futuro, de preferência sem aventuras e com conforto. Protocolo sexual burocrático. Com a aposentadoria segura, com os filhos, com a casa e os carros e as poupanças. Com os nossos inimigos.

Clóvis, quantos você salvou naquela manifestação em 77? Lembra? Quando os seus lendários 38 canos longos, escondidos no jaquetão, deram tiros para o alto, para frente, para os lados, para trás? Quando você gritou: Chega de ser isca de polícia! Quando você, entrevistado pelos grandes jornais do Brasil, sentenciou: Se for para morrer, que se dane. Que venham. O proletariado já morre de fome. Agora tem de morrer de pé. E chumbo grosso. Você e sua jaqueta, Clóvis. Você e os livros de Mao Tsé nos bolsos internos. E, as balas, nos externos. Você e o seu cabelo, contra o vento. Você e o seu jeans apertado. Você e o seu sexo latejante. Você e o seu peito aberto, corpo fechado, filho de Xangô. Você sua voz, trovão em cima do caminhão. Você era o máximo, Clóvis.

E, agora, é isto.

Clóvis, eu poderia inventar uma estória mais feliz, mais a contento, para que os rostos que me ouvem no Café das Cinco se iluminem e se iludam. Os garotos do Café das Cinco se lembrariam de você, então, Clóvis. Mas, não. Você não fez por merecer. Os meninos do Café são bons. Mas eles não se lembrarão de você. Os heróis, Clóvis Garcia, devem, têm a obrigação de morrer cedo, jovens, de uma morte fatídica, trágica, súbita, de agonia rápida. Têm de morrer em batalha, epopéia a ser cantada, com sangue, muito sangue, embebidos em sangue. Era assim que tinha de ser com você, Clóvis Garcia. Você morrendo, trocando balas com a polícia política. Você morrendo em combate feroz, com algum adversário. Você caindo em agonia, numa tortura, sem dedurar ninguém, nenhum companheiro. Você sendo traído por alguma amante, arrastado para uma cilada. Você morto no campo de batalha, com o corpo desaparecido. Você num livro de memórias, num filme biográfico, numa canção nacional. Você…

Não isto. Não isto, Clóvis Garcia!

É engraçado – e curioso até – que eu, logo eu, aquele que o desprezava e, quem sabe?, o amei, que o tivesse como um ser abjeto e a quem devo a minha vida, por me ter salvo de um espancamento, à base de suas balas; que sabia de muitas das suas mutretas e seus roubos no Sindicato, mas que fechava com você – o que me fazia, claro, seu cúmplice – porque você era meu companheiro – o que não me fazia menos ladrão – ah, enfim, é engraçado, Clóvis, que seja eu, logo eu, a te contar aqui, agora, com estes olhos baços e desesperançados diante de mim, aqui, agora, para os meninos do Café das Cinco, Clóvis. Não tenho vocação para Esfinge, nem para Oráculo, nem para Pandora.

Você repousa numa sepultura. Você se livrou de toda a dor, do ridículo, do passado, do herói, da leveza e do peso de ser. Você é livre, Clóvis Garcia. Livre. Você é livre, livre, mas não de mim. Que estória eu devo contar a teu respeito? Que estória, Clóvis? A do ridículo? A do enfermo de apendicite mandado para casa com comprimidos para alívio de gases e dor de barriga? Ou a do herói?

Você é livre, é livre, mas não de mim.

Nem eu de você. É verdade. Eu quero o herói. E quem não quer? Clóvis Garcia, você não tinha o direito de se deixar acabar assim. De se deixar de ser, de se tornar um impotente ridículo, gordo, mal cheiroso, delicado e suplicante. Você não era só você. Não foi só você quem morreu, percebe? Foi um tempo inteiro. Clóvis Garcia, seria melhor que nem tivesse existido. E nem nós. Nem que nos tivéssemos conhecido. Não morreríamos de vergonha. Foi isso que o matou e será isso que nos levará junto com você, até o último de nós.

É compreensível que o Sindicato esconda o seu nome da História Oficial. Quem éramos nós perto de você, Clóvis? Seu nome ecoa, reboa, ressoa, enche a boca, preenche os espaços, emprenha ouvidos. Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia… Pode ouvir a multidão, a massa te gritando lá embaixo do caminhão? Menos que um poema, quase uma poesia: Clóvis Garcia, dizia uma de suas namoradas, estudante burguesa, com quem você gostava de desfilar como um troféu, apequenando, para nos deixar a ver navios. Você era o pirata, o bárbaro, você era livre. Livre, livre, mas não de mim. Nem eu de você, atado ao nosso passado, ao seu passado.

E agora, Clóvis Garcia?

Onde estão teus amigos? E as tuas amadas? E as tuas armas? Tudo desfeito, doado, vendido barato, penhorado, perdido ao longo dos anos, em tuas rondas noturnas e fantasmas matinais. Você é isto, agora, Clóvis, para alguns: menos que um fantasminha camarada, assombrado durante anos pela Era dos Resultados. Logo você, Clóvis. Quem diria? Logo você. Sindicato de Resultados, Futebol de Resultados, Relacionamento de Resultados, Sexo de Resultados, Partido de Resultados, Combate de Resultados… Não para você, não é, Clóvis? Força viva, pulsante. Não havia mais lugar para você. Nem mesmo dentro de você. Mas precisava se deixar matar assim?

Apendicite supurada. Gases. Erro médico. Não é morte de herói.

O jogo é jogado, parceirinho, você citaria João Antônio. É. Mas nunca é fair play.

Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia… Pode ouvir a multidão, a massa te gritando lá embaixo do caminhão? Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia, Cló-vis Garcia……

Sigo, não sei se sorrindo, assobiando e contando você. E te conto tantas vezes que, chutando pedregulhos no caminho, sou até capaz de te esquecer. O sol esfria junto com o que me lembro de você.

Mário Augusto Medeiros da Silva






procerão, um conto de 1984.

23/06/2012

procerão

Procerão, 1

Procerão, 2

Procerão, 3

Procerão, 4

Procerão, 5

……………………………………………………………………………………………………………………………………..

Sonhava ser jogar de futebol, por mais que fosse um aplicado perna-de-pau e sabia disso. O sonho era um lenitivo para dormir. Um sonífero para esquecer. Um auto-engano para espantar a dureza do trabalho na roça e depois do colégio interno onde cheguei semi-analfabeto, tendo que estudar latim. Sempre lembro com pena e um certo regozijo do chute formidável que dei na gramática Ragon. Mas defendo que o latim volte às escolas secundárias .Cinco décadas depois, falar 50 anos parece que as coisa fica pior, sonho  dando grandes chutes, principalmente sonho acordado, apesar de chutar fraquinho fraquinho. E com as duas pernas como pelé. E fico rindo de tamnha asneira e durmo feliz. Assim sonho com pintura sem saber desenhar um patinhos, começando com um dois. Com desenho e arquiteturas. Fui construir um caminhão de madeira para meu filho e, ao final, consegui um trenzinho pintado de vermelho e verde. Pior, foi duro descartar dele depois. Fiz discursos revolucionários em meio a uma simples greve. E diante de qualquer criança pedindo esmolas, mesmo daquela criança que Pagú deu esmolas, em 1933, nas ruas de Moscou, em sonho com revoluções. E continuo brigando com Elis Regina e Belchior, pois acho sonhar melhor que viver. Claro que viver sonhando.

Em 1984 eu sonhava em ser escritor, mesmo notando que qualquer um que eu lia escrevia melhor que eu. Este conto, talvez foi a última tentativa, foi o marco da minha desistência. Nunca mais escrevi senão panfletos sindicais. E depois viciei-me em e-mails, fingindo que escrevo cartas, hoje um gosto solitário.  Ainda tenho a mesma covardia de 1984.  Mas não repudio esta pequena história.  Gosto dela, tanto que guardei. E aqui publico.

Tive a tentação de dedicar ao meu amigo Mário Augusto Medeiros da Silva,  xará e coloborador, esporádico, deste blog. Um vingança por ele ficar insistindo que eu devo escrever.

E escrevo isso, e leio sempre todas as coisas, ao som de alguma música exagerada, melhor, toda música é um exagero. Neste momento uma música árabe, dilacerada, com Yo-Yo-Ma . Que justifica qualquer desatino.  A maior das artes.  Que na minha república dos sonhos,  desafiando Platão, poetas, dramaturgos, humoritas, deviam ser seres privilegiados e protegidos, inatingíveis. E os músicos deveriam ser mesmo tratados com deuses, assim mesmo como  eram tratados os artistas de rock. Deuses  como eu acho que são Jimi Hendrix e Bach. E filósofos só seriam aceitos se frequentassem um baile funk e dançassem.

Como não danço, ninguém deve acreditar em nada que escrevo.


Membro Fantasma, por Mário Augusto Medeiros da Silva

22/06/2012


 

Membro Fantasma, por Mário Augusto Medeiros da Silva

Liguei apenas no terceiro dia. Sabia que estavam todos preocupados. Tia Carmem ameaçou um enfarto. Mãe rogou praga. O Pai não disse nada. Nada disse, mas imaginava seu olhar ao longe, de sobrancelha levantada. Mano gozava a cara de todos. Arrumou-me não sei quantas namoradas e aventuras fantásticas. Durante esses três dias, até as vinte horas, vivi intensamente nas imaginações alheias. Raramente com final feliz, invejosamente fabulado.
No terceiro dia fiz tocar o telefone. Deve ter havido uma correria louca em volta da mesa grande da sala. Benedito latindo e correndo atrás do próprio rabo. Maroca irritada com a soneca boa frustrada, na almofada puída. Maroca olhando severa o zanzar de pernas, tão distintas de sua elegância felina. O Pai avisando que não me atenderia, que não falaria comigo, que não estava lá, mas esperando saber se eu precisava de alguma coisa. Mãe gritando seus impropérios e empurrando todo mundo para chegar ao gancho. Mano, de costas largas, pernas longas, músculos másculos, atendeu e suportou gritos, arranhões, chutes e murros, bem como súplicas desesperadas para ouvir minha voz.
Tia Carmem fazia café de cinco colheradas, porque ninguém dormia cedo aos sábados. A trinca, o truco, a canastra, o buraco, a ronda, o dominó. A paciência. A paciência da família reunida, exercitada, em torno da mesa grande, de tampo elegantemente polido e pernas vergonhosamente lascadas. A paciência da espera, dos pigarros censores, dos olhos gulosos, dos homens eunucos e suas senhoras desditosas. A mesa aparentemente velha, aparentemente nova, aparentemente herdada, aparentemente nobre, aparentemente limpa, aparentemente firme. A mesa levou um pontapé do Mano quando o telefone tocou.
Benedito me quer bem. Benê espiava comigo Ana tomar banho com Nina. Benê caçava rolinha e me defendia do Zé Sujeira, quando eu vacilava o repuxo. Maroca é uma dama empertigada, que me ensinou bons modos. De tanto observá-la, acho que aprendi algo de tratar Mercedes. Ela não perguntou se liguei. Duvido que chorasse ou esperasse pelo canto. Tantas idas e vindas, numa dança estranha. Mercedes devia estar como Maroca: altivamente à espreita, enleivada em seu próprio mundo, à espera de um afago em seus pêlos.
Mano atendeu. Ouviu minha voz gravada e programada no equipamento. Será que sorriu antes ou depois? Lembrou da dor do chute na mesa ou de todos esses anos? E quando anunciou o que lhe transmiti, conseguiu disfarçar o que de fato quis dizer? Tia Carmem tomou mais café? Benê fungou e coçou-se a barriga. Maroca fingia dormir. Mãe caiu-se ao sofá? Riu-se de louca? Fê-lo repetir? Mano seguiu as instruções, apertou o teclado para ouvir de novo. Mercedes estaria no Oca´s planejando a revolução com meus camaradas e não seria encontrada. Pena. O Pai, sobranceiro e pragmático preparava o terno e avisava que era hora, então, de mexer nos papéis para abrir o caixão.


livro: Consciência Negra do Brasil

05/06/2012


livro: Consciência Negra do Brasil

Upload feito originalmente por Jornal do Porão

CONSCIÊNCIA NEGRA DO BRASIL: Os principais livros

biblioteca Mário XII- 000.008

Não haverá revolução proletária no Brasil se não for assentada na aliança com os o movimento de emancipação dos negros. Com este espírito recebo o presente de Mário Augusto Medeiros da Silva, o principal colaborador do jornaldoporao.wordpress.com

O que estes livros abordarão. Claro que não sei ainda. Mas aqui mesmo neste jornal vou fazer pequenas resenhas destas leituras e de outras que surgirão. Estarei atento ao doutorado de Mário Augusto que trata também da questão negra, de escritores negros.

Será uma grande jornada pelo que o Brasil tem de mais profundo.

Mário Medeiros também doou um exemplar para o AEL.

MAIS LIDOS DE 2011
A pequena notícia acima teve, até 03/05/2012, 96 leitores.
Curiosamente, à exceção do Mário Medeiros, ninguém se preocupou em me dar alguma dica sobre livros e obras.
Mas solicito encarecidamente.

Ah! Quanta terra e quanto mar! Também dica do Mário Augusto Medeiros da Silva. Com um pequena historinha. Quando me telefonou indo para o lançamento do livro e já tinha adquirido na Estante Virtual. Não sei que milagre que este, mas antes do lançamento já tinha 4 caixas(pois são 4 volumes numa caixa) à venda por preço menor que o que estava sendo lançado.
No entanto ainda não consegui ler nada.
E neste momento estou obcecado pela exposição “Memória e Altar”, da coleção de Rogério Cerqueira Leite. E pretendo que esta obsessão dure, de maneira totalmente absorvente, pelo menos 4 meses; período da exposição na CPFL e depois na Unicamp.
Depois pretendo comentar esta obra aqui

biblioteca Mário 000.009

TEXTOS AFINS NO JORNAL DO PORÃO:
01.

02. bibliografias e resenhas: ATITUDES RACIAIS DE PRETOS E MULATOS EM SÃO PAULO

03.CIVILIZAÇÕES AFRICANAS: “Altar e Memória” : Exposição da Coleção de Rogério Cerqueira Leite

04. CONSCIÊNCIA NEGRA


Existem humanos nos mais baixos patamares da escala social?

02/06/2012

Existem humanos nos mais baixos patamares da escala social?

Mário Augusto Medeiros da Silva

[NOTA INTRODUTÓRIA: SE ASSISTIR AO VÍDEO DE BORIS CASSOY ATÉ O FIM, OU INDO ATÉ O FIM, TERÁ ACESSO A VÁRIOS VÍDEOS COM A REPERCUSSÃO DO CASO – Mário Martins]

Trinta e um de dezembro de 2009, noite de virada. As pessoas
comemoram, como querem ou como podem, a passagem entre os anos. As
imagens são triviais acerca desse evento e compartilhadas, no
imaginário coletivo, por quase todos: famílias se reunindo, amigos
confraternizando, cidades iluminadas, gente circulando por aí com um
sorriso nos lábios. Vez ou outra, pessoas dormindo nas ruas, alguma
reportagem sobre os que perderam o rumo de casa (ou que não querem,
decididamente, voltar para lá), sobre a solidão nas metrópoles ou
sobre aqueles que trabalham nessas datas a que é dado a quase todos o
direito de relaxar. O de sempre, quase sempre.

Quem estava diante da televisão, sintonizado na programação
aberta, precisamente na Rede Bandeirantes, via a gravação do Jornal da
Band, apresentado por Bóris Casoy. Não interessa discutir a falta de
opção, gosto ou solidão do telespectador. Inúmeros se encontravam
nessa situação. E puderam ver aquele que, de há muito tempo, se
embandeirou como um defensor da moralidade pública da classe média,
criador e propalador do bordão Isto é uma vergonha!, comentar uma cena
trivial, típica de fim de ano: pessoas entrevistadas nas ruas,
instadas a desejar um feliz natal, próspero ano novo para a câmera da
tevê. Típico.

Uma dupla de garis, vestidos com uniformes laranjas, fazem o que
lhe foi pedido. Feliz 2010 etc., dizem, alegres, os companheiros de
trabalho, ambos idosos, encerrando aquela parte do bloco. Chamada a
vinheta, o âncora do jornal, inadvertido pelo áudio ainda aberto, faz
seus comentários sobre a cena: “Que merda, dois lixeiros desejando
felicidades…do alto de suas vassouras. Dois lixeiros! O mais baixo
da escala do trabalho…”. As imagens correram a internet e podem ser
vistas no Youtube (por exemplo, no endereço

http://www.youtube.com/watch?v=0H9znNpeFao). No dia seguinte, Casoy,
levemente constrangido, afirma no começo do telejornal: “Ontem,
durante o intervalo do Jornal da Band, num vazamento de áudio, eu
disse uma frase infeliz, que ofendeu os garis. Por isso, quero pedir
profundas desculpas aos garis e aos telespectadores do Jornal da
Band”. (ver, por exemplo, o endereço

Para a emissora e para o jornalista, a história acabava por aí,
simples assim. Não para os garis. Ofendidos e humilhados, Francisco
Gabriel de Lima e José Domingos de Melo deram entrevista, nos
primeiros dias de janeiro, à Folha Online, dizendo como se sentiram ao
aparecer na televisão para desejar boa virada no Jornal da Band e como
ficaram depois dos comentários de Casoy (ver
http://www.youtube.com/watch?v=OoQrkA3oQfQ). A fala de Lima é
distintiva: “Fiquei muito feliz de poder falar[…] Pensava que ia
fazer uma coisa bonita, falar no Jornal da Band. Prá mim foi uma
tragédia”. Os sindicatos que representam os trabalhadores de serviço
de limpeza urbana, bem como garis individuais, moveram três ações
judiciais contra Casoy e a emissora de televisão, no dia 06/01/2010
(http://entretenimento.r7.com/famosos-e-tv/noticias/garis-movem-tres-acoes-contra-boris-casoy-e-band-20100106.html).
No dia 03 de março, a ação civil pública foi julgada em São Paulo e
ambos, emissora e âncora, foram absolvidos de pagar indenização por
danos morais aos garis
(http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u701860.shtml).
Fim.

As informações acima são notícias velhas. Vejamos outras. Nesta
última semana, a Folha de São Paulo divulgou reportagem sobre a garota
23225. A adolescente é uma menina, cuja identidade é preservada nos
jornais, em função do Estatuto da Criança e Adolescente, através do
número de seu prontuário de internação no Hospital Psiquiátrico Pinel,
em São Paulo. Há quatro anos, ela foi levada ali por ser uma garota
difícil. 23225 foi considerada “[…] inteligente, agressiva,
indisciplinada, sem respeito, fria e calculista”. E por isso,
abandonada por 1500 dias (e contando) na instituição (ver: Menina é
‘esquecida’ no Pinel por 4 anos, Folha de São Paulo, 21/03/2010,
Cotidiano, p. C5;
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2103201005.htm). Para
acrescentar má sorte ao seu infortúnio, seu caso veio à tona na mesma
semana em que se constituiu um júri popular para julgar o caso
Nardoni, cuja repercussão ofuscou toda e qualquer outra notícia nos
últimos dias – até mesmo de agressões e assassinatos de outras
crianças em famílias de classe média.

Mas quem é 23225? De acordo com Laura Capriglione, responsável
pela matéria da Folha, é hoje uma garota com quinze anos, cuja mãe,
dependente de crack, se encontra condenada a prisão por sete anos, em
função de tráfico de drogas. Sobre seu pai, nada consta. A avó
materna, responsável pela menor desde a prisão da mãe, não a quer.
Desde os quatro anos, a avó já a havia colocado num abrigo para
crianças de famílias desestruturadas. Ela afirma não ter condições de
cuidar de 23225, pelos motivos que se encontram em seu prontuário. E
também por agora ter conseguido um emprego de auxiliar de serviços
gerais, que paga R$480,00 e tem carteira assinada. A senhora é
categórica: “Não vou pôr a perder por causa dela”. O julgamento moral
sobre esta senhora é o que menos importa aqui. Amor filial não é
automático. E, ao que parece, um salário mínimo com carteira assinada
e benefícios, neste caso, faz toda diferença na balança dos afetos.

Sobrou, então, para o Pinel. Desde 2005, data da internação, é
diagnosticado que a menina não possui problema algum que justifique
sua entrada ali na sua Clínica de Infância e Adolescência. Segundo o
diretor da instituição, o psiquiatra Eduardo Guilherme Guidolin, tem
sido feito um périplo através de diversos abrigos municipais para
menores, para a acolhida de 23225. Várias instituições de São Paulo e
arredores se negaram a recebê-la, onde teria um lugar para morar,
possibilidade de estudar e receber atenção psicológica. As alegações
são: ou não há vagas ou não é de bom tom receber alguém com “passagem
pelo Pinel”. A máquina pública negando a si própria. Em 10 de novembro
de 2009, o diretor do Pinel encaminhou ofício ao Ministério Público
Federal sobre a situação de 23225, bem como de outros menores que se
encontram na mesma situação que ela.

Como sempre pode piorar, no dia 24/03/2010, Laura Capriglione
escreve a matéria: “Polícia apura estupro de menina do Pinel”
(http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2403201007.htm). O crime
teria sido cometido em fevereiro, por funcionário de segurança,
contratado por firma terceirizada, dentro do Hospital Psiquiátrico.
Depois de flagrado, o acusado fugiu. E agora o caso corre em segredo
de Justiça. Desde então, nada mais foi publicado sobre 23225.

Em que ponto as duas histórias se cruzam? A meu ver, há
elementos muito significativos em ambas sobre a maneira como lidamos
com as classes baixas, desprovidos, lúmpens, pobres etc. Não é
necessário matá-los, fisicamente (como nas maternidades e presídios
públicos, que ocuparam os jornais recentemente). Retirar o direito à
voz, a possibilidade de se manifestar, humilhar numa exceção
permanente, já é um começo bastante eficaz. O objetivo final é sempre
dizer: “Você não é humano. Pelo menos, não um humano como nós”. Porque
a questão de ser ou não cidadão, nesses casos, é uma balela e nem está
em questão. Eles não são. Significam nada, não chegam a esse grau de
sofisticação. Antes de tudo, tratam-se os pobres e desvalidos ora como
máquinas que limpam dejetos, máquinas que executam tarefas; ora como
coisas humanóides (que possuem a nossa imagem e semelhança, mas não
são iguais a nós) e podem ser manipuladas ao bel prazer. Alguns,
descartáveis desde o nascimento. Outros, ao longo disso que se chama
vida. Viver é uma tragédia, um pesadelo desperto numa sociedade que
equaliza lixo e vida humana.

A história de Francisco Lima e José Melo é exemplar.
Publicamente, nosso defensor da classe média, que desde o começo dos
anos 1990 tacha de vergonhosa a vida política e costumeira nacional,
expressou o que a grande maioria de nós sentimos ao vermos esses
homens e mulheres varrendo as ruas, recolhendo nossos lixos,
uniformizados. Há alguns poucos anos, um jovem psicólogo social fez um
experimento para sua tese de doutoramento na Universidade de São
Paulo. Vestido como gari da USP, durante o dia, varria as ruas do
entorno da faculdade onde há anos era aluno. Professores e colegas
seus não o reconheciam de uniforme. Ou nem lhe devolviam um bom dia.
Quando publicou sua tese e esse aspecto dela veio aos jornais, virou
um escândalo. Mas por quê o alarme? É tão desagradável assim
escancarar o quotidiano? Se fosse, a emissora de televisão teria
demitido Bóris Casoy no dia seguinte, no ar, emitindo uma nota pública
em que repudiasse as opiniões do jornalista, que não expressariam as
da cúpula da Rede Bandeirantes e seus funcionários. Não o fez.
Limitou-se a pedir que ele afirmasse, lendo o teleprompter, que
expressou comentário infeliz. Suponho que com alguma recomendação para
demonstrar constrangimento, leve. Constituiu advogado junto ao âncora
para que se defendesse das ações dos sindicatos e dos garis. E estamos
conversados. Abalou a credibilidade de Casoy e do jornal? Não. Porque
esse bem, tão perseguido e ostentado por diversos jornalistas e
veículos de informação – mesmo quando nunca o possuíram – ao que
parece, se baseia em dizer… a verdade, acima de tudo, antes de
qualquer coisa, custe o que custar. O raciocínio é simplório, admito:
Se Casoy não foi demitido e a rede de televisão não tomou nenhuma
outra atitude, ele disse a verdade. Ele tem credibilidade. Que merda,
então, dois lixeiros… etc.

O problema é o uniforme, essa roupa de controle, de
identificação, inclusive, dos grupos perigosos e que reduz a
identidade a cores e tecidos? Não creio. O caso de 23225 pode ser
considerado como clássico para qualquer leitor de Michel Foucault ou
Erving Goffman, autores de História da Loucura e Manicômios, Asilos e
Prisões (ambos publicados pela Editora Perspectiva). Ou qualquer
pesquisador/curioso que, estando em São Paulo, um dia vá ao Arquivo
Público do Estado e solicite ler qualquer prontuário dos internos do
Juqueri, arquivados ali perto da Estação Portuguesa-Tietê do Metrô.

O problema é: o caso 23225 não é literatura das ciências
sociais. E, pelo visto nos jornais, não temos hoje intelectuais como
Foucault, capazes de liderar movimentos contra as prisões
psiquiátricas francesas. Ou uma Nise da Silveira, criadora do Museu do
Imaginário. Ou médicos engajados, como na década de 1980, que se
dedicaram a promover, no Brasil, a descolonização de internos dos
hospitais psiquiátricos (como o Juqueri, por exemplo). 23225 é a
atualização do nosso momento presente. Atualização, claro, para pior.
Opinião pública (ela existe?) e intelectuais rebaixados. É um número
de prontuário, perdido na burocracia do Estado, num jogo de
empurra-empurra entre a Prefeitura, o Ministério Público, os pareceres
médico-legais, abrigos e hospitais. Os únicos posicionamentos claros
até agora foram de sua família (que não a quer e não pode assumi-la) e
do Pinel (que não possui razões para tê-la sob sua guarda. Presta-lhe,
então, deve-se concluir, um favor). Para brincar com os leitores de
Foucault, autor de Isto não é um cachimbo, 23225 não é um número. O
desafio está lançado.

Pobres e sem fala, oriundos e atolados desde há várias gerações
nos patamares mais baixos da sociedade (ou, para lembrar Casoy, nos
degraus mais baixos da escala do trabalho) são considerados incapazes.
Organismos-máquinas, que a nossa imagem e semelhança estão por aí,
executando tarefas. Mas longe de ser como nós. Vez ou outra espanam e
se dão ao luxo de pensar, falar, desejar, denunciar. Como podem? Como
pôde 23225 querer ser inteligente e insubordinada, demandar afeto e
invejar outras crianças que recebiam beijos e abraços de avó e mãe?
Como pôde ela, ao ser pega em flagrante na guarita do segurança
terceirizado do Pinel, dizer: “Vai, tio, conta que a gente teve
relação”. Ela que, para conter seus “distúrbios”, segundo a reportagem
de Caprigilione (jornalista, aliás, admirável), é medicada com
haloperidol, cujos efeitos colaterais são sonolência, letargia e
torpor. Ou seja: a todo tempo, 23225 é mantida fora da realidade. Como
pôde ter algum momento de lucidez? Como puderam os garis expressar
sentimentos que não combinam com seus uniformes?

Todo e qualquer chavão crítico das ciências sociais, nesses
casos, me parece pouco e ineficaz. Todos eles estarão certos e não
provocarão nada. Aliás, diria Itamar Assumpção numa de suas canções,
que chavão só serve para abrir porta grande. Coisa que nem os garis e
nem 23225 conseguirão. De favor, já fizemos muito de deixá-los falar.
Não abriremos nenhuma outra porta para eles que não seja de uma outra
instituição, outro abrigo ou de uma fila de hospital,
seguro-desemprego. As portas do cemitério, talvez. Ou de um aterro
municipal.

Campinas, 30 de março de 2009.


bibliografias e resenhas: ATITUDES RACIAIS DE PRETOS E MULATOS EM SÃO PAULO

09/12/2010

Dedicatória do meu amigo, xará, e admirado intelectual e colaborador deste blog: Mário Augusto Medeiros da Silva

foto da autora, fotografada do livro.

BICUDO, Virgínia Leone. Atitudes Raciais de Pretos e Mulatos em São Paulo. Ed. Sociologia e Política, 2010
Agradecendo meu amigo e colaborador deste jornaldoporao Mário Augusto Medeiros da Silva por este magnífico presente.

AS ENTREVISTAS:
São falas muito contundentes. Por si só valem a leitura deste livro, dissertação de mestrado defendida em 1945.

RELAÇÕES DE PARENTESCO E CASAMENTOS
“(…) A Consciência de cor parece mais acentuada no mulato do que no preto da mesma classe social. Observamos que o mulato age pensando sempre na cor da epiderme, quando se case com um preto, seja com um multado ou um branco(…).
A Consciência de cor apresenta-se mais pronunciada no mulato do que no preto(…)”. p. 109A pesquisa centra-se nas relações de parentesco, em particular nos casamentos. Que peso tem isso hoje? E que pesquisa hoje dá conta desta questão?

INTEGRAÇÃO:
A Associação e Negros Brasileiros, nome fictício:
“Segundo os dados colhidos, a “Associação de Negros Brasileiros”, teve como propósito reunir os negros, a fim de prepará-los para lutar contra os obstáculos à ascensão social em consequência da cor. Os meios de que se valeram consistia em: 1) desenvolver a consciência do grupo, ligada a atitudes de antagonismo contra o branco; 2) desenvolver a consciência do grupo; pela divulgação da instrução, combater o negro decaído e antagonista do próprio negro e evitar a atitude de antagonismo contra o branco; 3) conseguir a aceitação do grupo dominante pelos valores profissional e educacional e pela força política”. 137.
Aqui também fica a inquietação quanto as associações e organizações de afrodescentes, no Brasil, inclusive os partidos políticos que têm “colaterais” que reclamam do movimento negro, primarem sua política por ganhar espaço no governo e instituições e, muitas delas serem francamente governistas, no governo Lula.

A LINGUAGEM:
“A Linguagem rebuscada que se nota nos artigos do mensário (“inglorioso jornadeio”, “formidanda extensão”, “sustamos nssa aljava” e “a liberdade auroral”, dos trechos reprodudicos até aqui; “lides de Mercúrio”, mais adiante) parece consequência do mecanismo de compensasão de sentimentos de inferioreidade”. Retirados do jornal “Os Descendentes de Palmares”.(também nome fictício deste períodico).
A CLASSE SOCIAL:
É levada em conta, parece-me, para situar, nas entrevitas, quem fala. Talvez classe social aqui esteja falando de rendimentos e renda familiar.

O interessante, para fazer o contraponto, seria buscar estudos retratem o peso de negros, mulatos e pardos(usando a terminologia do livro). E estudos que dêem conta da participação dos negros e afrodescendentes nas lutas sicias, nos sindicatos e partidos. E saber quais foram as abordagens que as organizações da classe operária deram para a questão do negro. Bem provável que serão estudos que ainda deverão ser feitos? É conhecido que muitas vezes a questão de “classe”, era colocada pelos partidos tradicionais, como o PCB, como uma melhor forma de esconder a questão do racismo e da exclusão, na busca incessante do PCB pela colaboração com a burguesia. Por mais brutal e racistas que sejam as instituições brasileiras, como a Univesidade, os movimentos, e o movimento estudantil, sempre tratotu isto não como um problema central ou de magnitude.
Querendo ou não o livro de Virgínia Leone Bicudo coloca o violento drama do racismo, do preconceito e da exclusão. Mas narra também uma busca pela integração na sociedade de classes o que porece, hoje, depois destes mais de 65 anos, é que foram esforços frustrantes. E que as próprias insituições burguesas, como a família, a educação… passam por crises imensas. E a educação no lugar de ser integradora é um locus de rascismo e exclusão. O Vestibular exclui o negro e ponto final. A polícia mata negros e mata alguns brancos também.
O livro é interessantíssimo para vermos o quanto evoluiu a luta dos negros e a sua consciência. Mas acaba nos fazendo pensar no quão lento evolui e quanto falta.

Creio que a luta de classes, radical (que deve realmente ir às raízes, sem medo e sem mediação), que no choque violento com a sociedade burguesa deve apontar caminhos e soluções mais profundas.