35 segredos para chegar a lugar NENHUM – Literatura de baixo-ajuda.

01/09/2012

Nada está perdido. Aqui tem 35 escritores (mulheres e homens) escrevendo ao arrepio do moralismo cristão/paulino/comunista. Alguns textos fariam jus à comemoração dos 100 anos de Nelson Rodrigues por juntar tragédia e humor,  para continuar sendo bem-humarado, denunciando as tragédias. Alguns títulos são contos de uma linha. “AS SETE VANTAGENS DA DEPRESSÃO CRÔNICA’; ‘COMO APRIMORAR UMA HABILIDADE ANCESTRAL: A MENTIRA”. Ou um cacetada nos cornos do politicamente correto, sem cair na incorreção. “COMO VENCER SENDO DEFICIENTE”. E um manifesto de pessimismo total, mas positivamente a favor da vida e o próprio título já anuncia: “COMO CONTINUAR GOSTANDO DE VIVER MESMO À BEIRA DA DESTRUIÇÃO TOTAL DA HUMANIDADE”. É um livro de 35 autores que sabem que o paradoxo existe. E que o certinho é estupidez autoritária. E que viver e rir é a prova dos noves, ou a prova real.

Todo mundo ficou me olhando no ônibus como se realmente eu fosse um louco feliz. O desfecho de “COMO MANTER A ELEGÂNCIA ENQUANTO SEU MARIDO DÁ EM CIMA DE OUTRA” me disparou o riso incontrolável. Final tão incorreto que ficou tão politicamente correto.

Há um ou dois que não achei muito bons. Alguns vou reler em breve e procurar mais livros dos autores. Deve ter mais gente escrevendo assim, o que me deixa ansioso e feliz.

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

Este slideshow necessita de JavaScript.

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

Como também vivo em paradoxos, fiz este registro ouvindo um música tão triste, mas tão bela. Brega, breguíssima.  Pior: a ouço sempre, reiteradamente.

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………
Talvez eu tenha ficado, sem perceber, com um certo acanhamento de nomear o texto que acho um primor no manejo das palavras. Um texto filiado claramente à narração, mas que não recua diante do enternecimento; como é um canto, uma ode à boceta, tem muito de poesia. Destaca a boceta do resto do corpo e aceita que ela tem vida. Para satisfazer minha paixão pela boceta faltou apenas descrever que ela deve ser bebida, quando líquida. “DA NECESSIDADE DO USUFRUTO DA BOCETA”, DE Fernando Bonassi.


Catálogo Biblioteca Mário

28/12/2001

Catálogo Biblioteca Mário

I. Literatura Brasileira
…..ANDRADE, Oswald …..
…..HILST, Hilda….
…..BRAGA, Rubem ….
….. ASSIS, Machado ….
….. CONTOS (coletâneas) ….

 

II. Literatura Estrangeira
…..DOSTOIÉVSKI, Fiódor …..
VII – Artes Plásticas
****Caricaturas e Charges****
****Grafites****
****Xilogravuras****
XIX – Mente Dolorosa

XXIII – Crime
****Tortura****