livro: Consciência Negra do Brasil

05/06/2012


livro: Consciência Negra do Brasil

Upload feito originalmente por Jornal do Porão

CONSCIÊNCIA NEGRA DO BRASIL: Os principais livros

biblioteca Mário XII- 000.008

Não haverá revolução proletária no Brasil se não for assentada na aliança com os o movimento de emancipação dos negros. Com este espírito recebo o presente de Mário Augusto Medeiros da Silva, o principal colaborador do jornaldoporao.wordpress.com

O que estes livros abordarão. Claro que não sei ainda. Mas aqui mesmo neste jornal vou fazer pequenas resenhas destas leituras e de outras que surgirão. Estarei atento ao doutorado de Mário Augusto que trata também da questão negra, de escritores negros.

Será uma grande jornada pelo que o Brasil tem de mais profundo.

Mário Medeiros também doou um exemplar para o AEL.

MAIS LIDOS DE 2011
A pequena notícia acima teve, até 03/05/2012, 96 leitores.
Curiosamente, à exceção do Mário Medeiros, ninguém se preocupou em me dar alguma dica sobre livros e obras.
Mas solicito encarecidamente.

Ah! Quanta terra e quanto mar! Também dica do Mário Augusto Medeiros da Silva. Com um pequena historinha. Quando me telefonou indo para o lançamento do livro e já tinha adquirido na Estante Virtual. Não sei que milagre que este, mas antes do lançamento já tinha 4 caixas(pois são 4 volumes numa caixa) à venda por preço menor que o que estava sendo lançado.
No entanto ainda não consegui ler nada.
E neste momento estou obcecado pela exposição “Memória e Altar”, da coleção de Rogério Cerqueira Leite. E pretendo que esta obsessão dure, de maneira totalmente absorvente, pelo menos 4 meses; período da exposição na CPFL e depois na Unicamp.
Depois pretendo comentar esta obra aqui

biblioteca Mário 000.009

TEXTOS AFINS NO JORNAL DO PORÃO:
01.

02. bibliografias e resenhas: ATITUDES RACIAIS DE PRETOS E MULATOS EM SÃO PAULO

03.CIVILIZAÇÕES AFRICANAS: “Altar e Memória” : Exposição da Coleção de Rogério Cerqueira Leite

04. CONSCIÊNCIA NEGRA


Pia de água benta na cidade de Goiás e esculturas das Civilizações Africanas

31/05/2012

Escultura BAOLÊ, Costa do Marfim, “Memória e Altar”, coleção de Rogério Cerqueira Leite. Registro a quantidade de esculturas onde tem um cabeça totalmente trabalhada.
TODAS AS FOTOS PODEM SER VISTAS EM TAMANHO MAIOR, BASTANDO CORRER MOUSE SOBRE ELAS.

As esculturas e máscaras das civilizações africanas influenciaram toda a arte do século XX. De Picasso aos parangolés de Hélio Oiticica. Sabemos também que esta esculturas e máscaras foram saqueadas na África. E no final da década de 20 e início de 30, quando, por exemplo, Alberto Giacometti começou a se interessar e usá-las em suas esculturas e desenhos, estas máscaras e esculturas já estavam totalmente banalizadas e vendidas como suvenires em Paris. Mesmo assim a força destes objetos africanos, também da Oceania, influenciarão decisivamente este grande escultor, pintor, desenhista, xilogravurista…

Pia de água benta de escultor desconhecido, século XVIII.Obra localizada no Museu das Bandeiras, Goiás-GO.

Passando por Goiás, e com a cabeça cheia de Arte Africana, de Giacometti, cuja exposição na Pinacoteca de São Paulo tinha visitado, e na volta de Goiás visitei novamente, vi esta pia de água benta, uma escultura que lembra muito a arte africana. Como é de escultor desconhecido, poderia ser de algum escultor escravo, ou influenciado pela cultura dos escravos brasileiros, tal a semelhança com muitas esculturas expostas na CPFL-Campinas/SP, na exposição denominada “Memória e Altar”, coleção de Rogério Cerqueira Leite. Exposição já comentada aqui e que será por muitos anos, já que pretendo resenhar livros e publicações sobre o tema. Já adquiri alguns livros e pretendo comprar outros.

Escultura da Civilização SONGYE, República Democrática do Congo. Chama a atenção para a cabeça com um recipiente, parecendo um feitiço.
No caso da Pia de água benta, notei que tem feições africanas, quando, quase sempre povoam as igrejas católicas esculturas com feições européias. Da exposição “Memória e Altar”, na CPFL, coleção de Rogério Cerqueira Leite

Cartaz do museu… com a procedência da pia de água benta.

Como podemos ler no cartaz, no museu em Goiás-GO, esta pia de água benta é de escultor desconhecido.

Pia de água benta, Goiás-GO.

Pelas feições à exceção do cabelo, mais ainda pela postura, me levou a acreditar que seja de um escultor de origem africana ou influenciado pela cultura africana. Seria um sincretismo na contramão. Há a famosa lavagem das escadarias do Bonfim, mas escadarias, fora da igreja, ou santos católicos identificados com entidades afros. Mas aqui a pia de água benta faz parte dos rituais da igreja Católica, dentro da igreja. Aqui, talvez, o negro levou para dentro da Igreja Católica a sua visão de mundo. Ou à sua imagem (e semelhança) do seu mundo. Outras ocorrências destas me interessam muitíssimo. Mais uma coisa para estudar!


CIVILIZAÇÕES AFRICANAS: Memória e Altar: apontamentos 01

15/05/2012

LINKS APARA ALGUNS TEXTOS SOBRE ARTE AFRICANA

[Clique sobre a foto para vê-la em grande formato]

Abaixo vou relacionar vários links de textos sobre as civilizações africanas. Este POST, assim como quase todo o jornaldoporao, será uma espécie de levantamento bibliográfico, resumos e resenhas. Espero que interesse a outras pessoas, mas principalmente será um caderno de Estudo para mim.  Tudo aqui será muito provisório. Tudo estará aberto. Novos textos, novos textos encontrados ou sugeridos, novas idéias, novas referências, tudo será imediatamente agregado, sem muita preocupação com “opiniões” definitivas, nem mesmo assentadas. Uma caderno de estudo. Um caderno de apontamentos. 01.Cultura material e Arte africana Formas de Humanidade, Museu de Arqueologia e Etimologia, USP 02 .Cultura material e História Formas de Humanidade, Museu de Arqueologia e Etimologia, USP 03.Cultura material, Filosofia e Religião Formas de Humanidade, Museu de Arqueologia e Etimologia, USP 04. Civilização NOK 05.MUSEU AFROBRASIL – NEGROS PINTORES – SÉC.XIX e XX</a

REPETINDO QUE ESTE BLOG PRETENDE, ANTES DE QUALQUER COISA, SER UM CADERNO DE APONTAMENTOS. DICAS PARA ESTUDO. POUCA COISA ALÉM DISSO.

A UNESCO COLOCOU ONLINE SUA COLEÇÃO “HISTÓRIA GERAL DA ÁFRICA”.

A PAGINA DA UNESCO:

LINK 06 – AS INFLUÊNCIAS DA ARTE AFRICANA NA ARTE MODERNA, de José D’Assunção Barros

ALTAR E MEMÓRIA, OUTROS TEXTOS AQUI NO JORNALDOPORAO:


CIVILIZAÇÕES AFRICANAS: “Memória e Altar”: Exposição da Coleção de Rogério Cerqueira Leite

15/05/2012

[Clique sobre a foto para vê-la em grande formato]

Cabeça da Rainha Mãe, Marfim, Civilização YORUBA, Nigéria

CIVILIZAÇÕES AFRICANAS: “Altar e Memória” : Exposição da Coleção de Rogério Cerqueira Leite

Puro impacto. As esculturas e máscaras de várias civilizações Africanas. Algumas da civilização NOK que remontam ao século V a.C. As máscaras africanas vão influenciar toda história das artes plásticas do século XX. Picasso, Modigliani e muitos outros pintores e escultores. Se pouca coisa entendo de arte, menos ainda sei das manifestações das múltiplas civilizações da África. Mas de uma coisa tenho certeza, a de que ninguém sairá imune desta visita à exposição. De minha parte, nesta última semana só consigo pensar e refletir sobre várias e várias esculturas e máscaras.

Escultura Civilização KUSU, Congo

Escultura Civilização YORUBA, Nigéria

Há quem diga que não é arte peças e artefatos que tem valores utilitários e instrumentais. Que seria mais adequado falar em folclore. Mas estou longe de conseguir fazer esta distinção, diante de tanta expressividade. Diante de uma máscara que sorri.  Ou com uma escultura onde o rosto do velho se desmilingue, como o relógio de Salvador Dali. Ou saber que a mesma civilização que retrata homens e mulheres de corpos alongados e outras distorções e deformações, quando fazem animais totalmente naturalistas. Tomaram a decisão de fazer assim.

Dezenas de máscaras. Várias Civilizações. Conteúdos diversos. Expressividades tamanhas.

Esculturas e máscaras “deformadas”  que vão influenciar correntes inteiras da arte do século XX, ou olhos escavados que vão reverberar em vários pintores modernos, ou ainda ver que pintura e escultura vãos se misturar entre si,e ainda se misturar  com roupas, adereços e colagens, rompendo fronteiras e os chamados suportes. Este pequeno texto não passa de um minúsculo apontamento diante da grandeza que senti diante de tudo que ali está exposto. Dá para saber que ali está apenas uma pequena parte do que existe espalhado pelo mundo, do que foi produzido e saqueado da África.

Escultura da Civilização SONGYE, Rep. Democrática do Congo

Mas esta pequena amostragem é suficiente para mostrar, para mim, o quanto sou ignorante diante desta grandeza e variedade cultural. Garanto que passarei o resto de minha vida estudando para compreender mais e amar mais. Mas, para mim, a influência sobre a cultura européia e moderna conta sim, mas o mais importante é o olhar livre. É ver com os olhos livres. Fui com jovenzinha de 12 anos que fotografou, comentou e vibrou.  E seu comentário foi um grande momento da minha visita: “Eles distorcem tudo, mas tudo é tão real e verdadeiro”. Ou, “tudo é diferente que a arte romana (que vimos juntos no MASP), pois tudo da África é expresivo e os romanos não”.

A exposição está muito amontoada o que prejudica muito a visibilidade das peças. Há mesmo pouca luz para máscaras que irradiam poderosas expressões, mesmo ainda que numa penumbra. Esta exposição irá para UNICAMP, em dois meses, como informaram. Espero que lá, como há muito espaço, possa cada peça ter um estante própria . (No MASP, a exposição dos imperadores romanos, cada peça, cada utensílio (ou agrupamentos de poucos deles)ocupavam  estantes e ambientes diferentes e espaçados. Não tenho dúvida que esta exposição: Altar e Memória, merece tratamento igual).

Nem sei o que dizer de quem não for ver e estudar esta exposição que estará por dois meses na CPFL e, disseram lá, vai depois para Unicamp.

É um grande ponto de encontro.

………………………………………………………………………………………………………………………………..

LINK 01 – MAPA DAS CIVILIZAÇÕES AFRICANAS. Uma Visita ao Museu Afro Brasil
LINK 02 –


CULTURA MATERIAL E HISTÓRIA/MAE/USP


LINK 03 – Cultura material e Arte africana
Formas de Humanidade, Museu de Arqueologia e Etimologia, USP


LINK 04 – Cultura material, Filosofia e Religião
Formas de Humanidade, Museu de Arqueologia e Etimologia, USP