Chuvas (sempre) Inundam Arquivo Nacional.

12/03/2013

O Bom Dia Brasil, da Rede Globo entrevistou o presidente da Associação dos Servidores do Arquivo Nacional e ele afirmou que o problema é antigo.
Estarrecedor ver documentos de mais de 200 anos cobertos com plástico preto. Plásticos pretos também cobrem armários deslizantes novinhos.
Consternador ver um murundum de documentos molhados e amontoados, como se pode ver na foto publicada na página do jornal o Globo.

Documentos molhados do Arquivo Nacional, fonte google

Documentos molhados do Arquivo Nacional, fonte google

.
Onde estão os historiadores e os profissionais das chamadas ciências humanas? Como chamar o sujeito que mandou queimar documentos da justiça do trabalho. O tal sujeito é da Academia Brasileira de Letras, ostentou o título de presidente da República e foi presidente do Senado não sei por quantas vezes. Sarney (Sir Ney) é o mesmo José Ribamar. E foi muito tímida a reação diante de tal crime contra a história do país.
Amedrontadora é a notícia de que documentos do período da ditadura militar vão ser transferido para o Arquivo Nacional, que há muito tempo inunda. No noticiário da Globo, citado acima e reproduzido no facebook da Associação dos Servidores do Arquivo Nacional, relata que documentos da Comissão da Verdade foram afetados pelas águas de março.
No mesmo noticiário diz que o governo vai estudar reformas no prédio e que deve demorar essa avaliação. Artigo de Elio Gaspari, “Privataria arruina a Biblioteca Nacional”, relata gastos astronômicos com a Biblioteca Nacional e que nada adiantaram. Na Biblioteca Nacional é o ar-condicionado que inundou-a, assim como aconteceu com o Arquivo Edgard Leuenroth. Ar-condicionados caríssimos que não funcionam e poem em risco os arquivos–Será que paióis militares ou instalações nucleares também são inundadas por ar-condicionado? Ou foram contratadas empresas incapazes? — O Artigo de Elio Gaspari mostra que o problema da Biblioteca Nacional não é falta de dinheiro. Bilhões foram gastos para fins os mais esdrúxulos que nada tinham a ver com a função da Biblioteca Nacional. São burocratas gastando dinheiro do povo, não como se fosse seu, pois não são tolos, gastam mesmo é o tal dinheiro público (que soa como se não fosse de ninguém), que é mesmo dinheiro DO público (o dinheiro dos nossos impostos).
Não é possível que essas instituições públicas gozem de tal autonomia. É preciso controle externo. Essas instituições tem que ser geridas por organizações cientificas e populares. É preciso um conselho diretor destes arquivos públicos, com poder de voto e que escolha a própria direção dos arquivos, formada por representantes de associações de historiadores e demais ciências humanas, inclusive com representantes de sindicatos e associações de trabalhadores. Deixar arquivos importantes nas mãos de burocratas é correr totais riscos. E quando se trata de acervos de cunho claramente políticos, como documentos da época da ditadura, é mesmo uma irresponsabilidade. É conhecida a heroica história de como foram salvos os documentos do Arquivo de História Social de Amsterdam: grupos políticos, anarquistas em particular, espalharam os documentos pela Europa e, depois do pós-guerra, foram reunidos. Documentos militantes só estarão mesmo garantidos se houver envolvimento de militantes, de não profissionais burocráticos. Burocratas também são pesquisadores que usam os arquivos apenas para arranjar um título e um emprego. É o perigoso arrivismo. Claro que há exceções, mas somente exceções.(veja a história do IIHS de Amesterdam).

 Annie Adama van Scheltema-Kleefstra

Annie Adama van Scheltema-Kleefstra

Nehemia de Lieme

Nehemia de Lieme

N.W. Posthumus

N.W. Posthumus

Estes prédios do Biblioteca Nacional e do Arquivo Nacional não prestam para a finalidade de arquivos. São velhos e perigosos. Se não são as inundações é o perigo de incêndio. Assim como arquivos da Unicamp, como Centro de Memória em prédio completamente inadequado, pondo em risco a memória de Campinas, especialidade desse arquivo. Mesmo o AEL, Arquivo Edgard Leuenroth, com prédio novo, inaugurado em 2009, mostrou-se inadequado. Vive sendo destelhado em qualquer chuva. Suas janelas vivem caindo, pois são de péssima qualidade. E o Ar-condicionado que custou 600 mil reais, naqueles idos, jamais funcionou e, na inauguração do AEl, inundou parte do acervo, como aconteceu com o ar-condicionado da Biblioteca Nacional. Atestando, no mínimo, tremenda incompetência e provando que os burocratas são incapazes de guardar a memória nacional.
Precisam-se, antes de mais nada, de prédios adequados. Que tenham engenharia para isso. Que tenham toda uma engenharia para evitar sinistros (como porta corta-fogo, escadas externas, elevadores externos, brigadas de incêndio 24 horas por dia e outros recursos). A proliferação de arquivos em predinhos inadequados é um grande risco. Não é economicamente viável ter uma brigada de incêndio para cada predinho isolado. É preciso de grandes prédios, com engenharia de alta segurança, com corpo de funcionários (concursados), com treinamento constante, com ordens de serviço preventivas executadas e relatadas todos os dias, em todas as horas do dia e da noite.
Tanto o dinheiro enfiado na Biblioteca Nacional, como a compra da fazenda pela Unicamp, atestam que dinheiro está é sobrando. Precisa-se é envolvimento da sociedade. Vê-se, principalmente no caso da Biblioteca Nacional, uma autonomia para jogar dinheiro fora, como mostrou Elio Gaspari. E a Unicamp, até prova em contrário, é hoje um dos latifundiários improdutivos do país – pelo menos até sabermos o que vão fazer com a tal fazenda. Professor da Unicamp fala até em possibilidade de ocupação (ou invasão) de tal área improdutiva..
……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

links

01.Biblioteca do Iel na Unicamp é atingida por incêndio
02. Incêndio atinge prédio da biblioteca do Instituto de Letras da Unicamp
03. nota da Unicamp (sobre o incêndio)
04. Fotos dos Estragos na Biblioteca IEL Unicamp
05. Incêndio na biblioteca pública Luis Bessa, Belo Horizonte
06.Fogo destruiu interior de casa que foi moradia de poeta Castro Alves.
07 Presença de dois vigias minimizam o incêndio na Biblioteca Luis Bessa, projetada por Oscar Niemayer
08.Chuva inunda sala de obras raras de biblioteca da UFRJ Alba Valéria Mendonça, O Globo, 3 de dezembro, 2003 (com obras raras)
09.Chuvas inundam arquivos do Instituto Micael, Peruíbe
10.A privataria arruina a Biblioteca Nacional, Elio Gaspari
11. Chuvas alagam salas e molham documentos do Arquivo Nacional, O Globo, terça-feira, 12/03/2013

12.Segunda, 4 de Março de 2013 às 09h 03 Casa Civil enviará ao Arquivo Nacional documentos da ditadura
13. Associação dos Funcionários do Arquivo Nacional (facebook)

14.14/03/2013 13h36 – Atualizado em 14/03/2013 15h02 Após incêndio na biblioteca, protesto de alunos cobra ação da Unicamp
………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

pingback

quase-incendio-no-ael-2. Foto Mário Martins de Lima

quase-incendio-no-ael-2. Foto Mário Martins de Lima

01.ARQUIVOS PÚBLICOS EM PERIGO. Incêndio na biblioteca do IEL
02. Infiltrações no AEL, dentro e fora
03. Campus de Limeira, aos pedaços
04 .AEL MAIS UMA JANELA CAIU (1)
05. Pequeno Diário de uma Tragédia Anunciada

Quase Incêndio no AEL, foto Mário Martins de Lima

Quase Incêndio no AEL, foto Mário Martins de Lima

06. MAUSOLÉU DE OURO, PIRÂMIDE BRANCA, emBORA… O QUE ACONTECE COM AS OBRAS ABANDONADAS NA UNICAMP?
07. INAUGURAÇÃO DO AEL texto na revista casuistica.tk Sobre a Operação fogo no Edgard
08. INAUGURAÇÃO DO AEL (texto dos estudantes) 21/12/2009
09. 30 mil gravuras na Biblioteca Nacional: um murundum inútil. Correm risco. Ou é mesmo um arquivo morto.
10. Enquanto uma empresa terceirizada inunda, outra fale na biblioteca do IFCH. COISAS TOTALMENTE SEM IMPORTÂNCIA.
11. JORNAL DO PORAO N. 5. 1 de outubro de 2009. QUASE INCÊNDIO NO ARQUIVO EDGAR LEUENROTH
12.Fogo no acervo de Hélio Oiticica. 16 DE OUTUBRO DE 2009. DIA DE DESTRUIÇÃO DE UM PATRIMÔNIO CULTURAL BRASILEIRO

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

Anúncios

capoeira angola desenhos de Caribé

02/08/2012

Biblioteca Mário XII AfroBrasil 000.001

A esperança é que o livro seja reeditado. No site estante virtual este livro de Waldeloir Rego vai de 395 reais a 1.593 reais. Ou seja, preço proibitivo para os mortais comuns. No Arquivo Edgard Leuenroth tem um exemplar.  Consegui o meu por R$ 100,00. Pretendo fazer uma resenha.
…………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

 

link

WALDELOIR REGO
CAPOEIRA ANGOLA
ensaio sócio-etnográfico
Salvador
Editora Itapoan
1968

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

Música que me fez prestar atenção na capoeira, em 1972. Até hoje, esta é um das minhas músicas prediletas.

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

Este slideshow necessita de JavaScript.


………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

galeria

Claro que a vontade é colocar aqui os 18 desenhos maravilhosos. Aqui vão alguns como propaganda gratuita de um livro que não conheço nova edição.


Inércia(2), por João da Silva

11/11/2010


Os quadrinhos dessa série foram feitos com base em conversas com o Júlio, o químico do KAOS, a Tessy, da ITCP e o Mário do Jornal do Porão. A Inércia 1 é uma HQ de 5 páginas que saiu na revista Miséria número 3. A Inércia 3 to mandando pra Revista Casuística.

Neste jornaldoporao já foi publicado o conto de Victor Giudice, “O Arquivo”. Nenhuma pessoa que odeie a burocracia e os burocratas pode deixar de lê-lo. Assim como a poesia “A Burocracia”, de Francisco de Carvalho, também publicada no jornaldoporão.
Mas gostaria muito que relessem ou lessem um artigo publicado no jornaldoporao quando da inaguração do AEL. Artigo que na época (21 de novembro de 2009) causou muita celeuma, gritos, ameaças, muchoços e um camissão para tentar amendrontar e calar o jornaldoporao. A revista eletrônia da LER-QI publicou o texto e aqui está o link.


O ABSURDO É TÃO COMUM. O banal é tão Poderoso.

05/11/2010

Você está sendo enganado por esta foto. Aqui não é uma loja de escadas. Nem uma unidade de bombeiros. É a recepção do Arquivo Edgard Leuenroth. Mas para quê tanta escada?


escadas, quantas 005
COMENTÁRIOS DE ALGUMAS PESSOAS QUE CONSEGUEM VER ALGO À SUA VOLTA: 1. “Agora o AEL tá bem, uma escada para cada funcionário”; 2 . “agora toda mundo vai poder subir na vida”; 3 . à espera de outros comentários que serão registrados aqui.

Pergunta semelhante já tinha sido feita quando da mudança do Arquivo. Compraram mais de 700 caixas, caras, resistentes, para fazer a mudança. Passodos quase um ano continuam lá amontoadas por vários locais no AEL. Visivelmente um disperdício de recursos. Eram tantas que a foto só pega algumas delas.


caixas caras, para que servem…

Upload feito originalmente por Jornal do Porão

Mas como explicar 15 ou mais escadas para o Arquivo? Diante de tantos absurdos no mundo parece miúdo me preocupar com caixas e escadas.

Aproveito aqui para narrar outra experiência, comesinha, sobre uso de verbas públicas. Pois acho que muito da miséria deste país é promovida por disperdício. Todo mundo conhece denúncias de que 30 por cento dos graos são perdidos. É senso comum que verbas, por exemplo, para educação, uma porcentagem mínima é usada para educar. A quase totalidade das verbas ficam pelo caminho. Mal aplicadas e mal explicadas. Um exemplo. Em muitos sebos você encontra livros patrocinados pelo governo que deveriam estar nas bibliotecas (a maioria delas ficam inclusive fechadas o ano inteiro). Mas há o grotesco. Livros dirigidos ao ensino médio, como por exemplo livros de linguística que só alguns alunos do ensino universitário leram. Seria apenas falta de critério ou burrice? Ou sabem que ninguém vai cobrar. E se alguém cobrar de quase ninguém vai ouvir.

Por isso acho que, diante de pequenas coisas que cheiram a desperdício, devemos cobrar explicações. E insistir, mesmo que as explicações não venham.

Upload feito originalmente por Jornal do Porão


A INFLUÊNCIA DO JORNAL DO PORÃO. Um balanço pelos cinco mil acessos.

24/10/2010

Mike Bongiorno. FENOMENOLOGIA DE MIKE BONGIORNO, de Umberto Eco. Este ensaio de 1961 foi publicado aqui no Jornal do Porão em 21 de fevereiro de 2009. Apesar de um longo ensaio para um blog é um dos textos mais lidos. Quando foi publicado em fevereiro de 2009, digite-o inteiro de um livro, pela indignação de ver a pobreza intelectual, o servilismo e as bobagens que ouvi de alguns professores do IFCH. Como por exemplo, diante da comemoração dos 50 anos do Teatro Oficina, certo professor de história dizer que “falei durante três aulas que o Zé Celso só quer chocar as pessoas”. Pior foi outro dizendo sobre o acervo do Teatro Oficina no Arquivo Edgard Leuenroth: “Aquela bicha…”. Nem pensava em Berlusconi, mas em professores do IFCH, arrivistas, carreiristas e especialistas em exercer seus poderes.

O texto mais lido, quase todas as semanas tem 4 ou 5 pessoas acessando-o, é o Jornal do Porão 4. É um Jornal que fala de Noel Rosa, de Chico Mendes e da Praça dos Trabalhadores. Mostrando a violência da pequenez dos políticos. São os próprios Mike Bogiornos.
Como colocar numa pracinha minúscula o nome de um dos maiores compositores e personalidade da cultura popular brasileira? Estudante de medicina que se liga, imediatamente, aos fundadores do samba. O samba tem várias vertentes, mas aquela que proliferou que tomou os rádios, e que tomou a país inteiro, foi arquitetada no Estácio. Noel Rosa logo vai ser parceiro de Ismael Silva, o grande do Estácio. E a antiga tripinha chamada Praça Chico Mendes cheia de lixo, tendo hoje uma desconhecida como nome oficial. Aqui Chico Mendes foi salvo da humilhação. E a praça dos trabalhadores então que nem existe, é um canteiro debaixo de uma ponte. E aqui neste Jornal do Porão ainda virá um artigo com fotos da Praça Tim Maia, um canteirizinho de terra batida e sujo. Os políticos são uns pobre-diabos.




Mário Medeiros contra a terceirização

Upload feito originalmente por Jornal do Porão

Outro texto que todas as semanas têm leitores é “UMA SEGUNDA MORTE PARA CLÓVIS GARICA”, de Mário Augusto Medeiros da Silva. Como os leitores já sabem, Mário Medeiros já teve os dois contos mais lidos neste blog. “Meias de seda se esgarçando”, provocou 104 leitores num dia, um segundo lugar de leitores, pois Jornal do Porão número 4 teve 119 no dia em que foi lançado, em fevereiro de 2009. Mas seu “Membro Fantasma” será o terceiro texto mais lido do blog: 84 leitores no dia que foi lançado o conto. Mário Medeiros da Silva deixa de ser colaborador para se tornar uma co-autor do blog. Não posso deixar de citar a melhor frase escrita neste blog foi quando Mário Augusto Medeiros da Silva, escrevendo um artigo em defesa de Mário Martins, perseguido pelos Mike Bongiornos do IFCH, cunhou esta: “O ato de acochambrar pelo poder, alcoviltar, escorchar e tomar atitudes numa relação de desigualdade (chefe-subordinado) é o elogio da estupidez. O chefe que precisa usar da força – censurar, chamar em sala, beco, alcova, colocar no canto, ameaçar, impor-se pelo cargo – demonstra que a sua suposta autoridade não possui nenhuma legitimidade, para além do cargo institucional e do medo que inspira. Respeito, então, nem se fale. É um estúpido. Uma besta com polegares. É indigno de ser chamado de intelectual, de pensador. É o ato de um delinqüente acadêmico, de homem-dispositivo, na melhor acepção que deram a esses termos Maurício Tragtenberg e Franciso Foot Hardman.”
Em defesa do Jornal do Porão, de seu criador e de todos nós.
14/11/2009 IDÉIAS SE COMBATEM COM IDÉIAS.

Há textos no Jornal do Porão que não são originais, mas que são constantemente lidos. Mas são originais no sentido que foram escolhidos para serem editados aqui. E porque cumprem a função de criar o debate. Textos também esquecidos que entram novamente em circulação. O principal deles é “A Delinqüência Acadêmica”, de Maurício Tragtemberg. Sempre lido, mas ainda não lido suficientemente. É um texto de 1978, mas parece que fala de agora. E dentro desta questão da academia o texto fundamental é “Segunda Refundação”, de Marilena Chauí. Na verdade pouco lido, mesmo porque é um ensaio imenso. Texto escrito em 1994 e ainda não assimilado. O movimento estudantil, segundo minha leitura do texto, fala de uma Universidade que nem existe mais. E Marilena Chauí prova isso. Sem este texto, acho, falar de universidade é fazer um debate sobre o vazio, como se fôssemos fantasmas.

E um texto querido. É muito lido, mas eu queria que fosse mais e mais. “AMOR CRISTÃO”, de Marcelino Freire. É uma porrada nos bem pensantes e sentimentalóides. Assim como são os poemas de Roberto Piva que também são lidos, toda a semana tem pelo menos 1 leitor aqui no Jornal do Porão.




terceirização coletivo Miséria 004

Upload feito originalmente por Jornal do Porão

Mas o Jornal do Porão vive um momento especial. Os desenhos de João da Silva. O coletivo Miséria e sua revista Miséria é algo único na Unicamp. Algo criativo, inventivo e que marcará época. Haverá uma época da Unicamp que, no futuro, falaremos da época da Revista Miséria. Que outra época a Unicamp tem? No futuro falaremos de um passado bem distinto, marcante. Convoco as pessoas a falarem destes momentos realmente marcantes e fundadores da Unicamp, se os houver.




churrasco Hélio (7)

Upload feito originalmente por Jornal do Porão

O momento especialíssimo das contribuições de Mário Augusto Medeiros da Silva. Sempre presente no Jornal do Porão e sempre criando impacto e leitores. Mas alerto aos desatentos. Newton Perón eu recomendo. Minha leitura e releituras tem sido, constantemente, ir ilustrando os textos. Aos textos de Newton Perón eu tenho dedicado esta leitura ilustrativa, ALGUNS AINDA INÉDITOS, em comemoração aos 5 mil acessos ao Jornal do Porão. Tenho, acho, conseguido ponto alto. A conferir.

O Jornal do Porão nasceu para ser um jornaleco litero/político/jocoso. Tem sido. Mas sua vocação tem sido de ser uma revista de onde amigos dialogam e tentam influir, criando uma visão de mundo assentada na cultura, na luta contra opressão e toda espécie de moralismo pequeno-burguês ou carola. Tem avançado. Pois, como vimos, textos difíceis são lidos e relelidos.
Se perceberam há dois contos inéditos de Newton Peron, ainda agendadados para serem publicados, mas que podem ser lidos já. Mas para página ainda tem algo mais que é publicado hoje. Acessem o no Flicker album com algumas fotos de Josephine Baker, comentada no texto de Umberto Ecco, Mike Bongiorno.

E já ia me esquecendo de Mário Bortolotto e seu sempre lido, aqui, “Me gústan las muchachas putanas”. Que iniciou neste Jornal do Porão os textos contra o moralismo idiota. Este mesmo que não fosse lido por ninguém eu republicaria até para relelê-lo.

As fotos do Flickr são muito vistas através deste Jornal do Porão. As campeãs são as fotos da “Capoeira Angola”, desenhos de Carbé. Só na sexta-feira, 22 de outubro 2010, a página com os desenhos “capoeira angola, de Caribé” teve 9(nove) acessos.
Pretendo em todos os aniversários da primeira publicação destes textos republicá-los.
PS. Newton Peron, além de ser um formidável coloborador deste Jornal do Porão, no auge da perseguição dos “burocratas mortos” a este editor e a este jornal, Newtinho assumiu a edição deste. Portanto ele será sempre um dos editores deste jornaldoporao.

Alguns textos de Mário Augusto (Medeiros da Silva), neste blog.

Este blog, nos seus mais de 5 mil acessos, reafirma um dos seus eixos, que é a preocupação política cotidiana. Interviu. Incomodou. Mas há uma grande curiosidade e uma sociologia inteira do profressorado do IFHC. No primeiro semestre de 2009, 80 professores do IFHC, assinaram uma carta que termina de maneira arrogante diante do Reitor. Nesta carta que inicia dizendo que o ‘IFHC ESTÁ AGONIZANDO’ e na reunião que a votou diziam que não iniciariam o segundo semestre, pois era impossível continua sem enfrentar radicalmente o problema, pois em 2011 o IFCH FALIRIA. Hoje está carta só pode ser lida aqui. Nenhum professor a cita. O que mostra que todos os 80 são coniventes com a agonia do IFCH. Mais. Devem ganhar com isso. No album Flickr do Jornal do Porão você pode ver a reação e mobilização dos estudantes.Mas há muito gente atenta a esta carta, muito menos do que devia, mas toda semana, aqui no blog, ela tem pelo menos 3 leitores. A carta não dá para ser resumida. Cada parágrafo dela é um diagjnóstico profundo o IFHC, das Ciências Humanas relegada para último plano. Diante da covardia que os professeores demonstraram depois de assinarem a carta, me obrigo a lembram Nelson Rodrigues e seu complexo de vira-latas para definir a subserviência.

Veja Blog de João da Silva
Revista Miséria

Alguns textos do Jornal do Porão também foram publicados na Revista Iskra, uma revista teórica de Jovem marxistas traz artigos sobre a repressão as festas no IFCH e na Unicamp.

Um conto dos mais lidos, so de consulta pelo nome, foram 31 vezes em 2010. Um grande achado. O Arquivo, de Victor Giudice. Dizem que é o conto brasileiro mais publicado no mundo. 27 vezes.


AEL mais uma janela caiu (1)

13/10/2010

Mais uma página do pequeno diario de uma tragédia anunciada. Dezenas de janela da Pirâmide Branca, o novíssimo novo rico prédio do AEL, tem grande parte de suas janelas comprometidas. Uma parte inteira do AEL, no seu suntuoso e novíssimo e branqíssimo prédio que foi construído por empresas terceirizadas terão que ter todas suas janelas trocadas. Quem pagará por isso? E quem ganhou para fazer esta porcaria, e quanto ganhou? Quanto a Unicamp irá perder? Não esqueçamos do ar-condicionado de 600 mil reais que não funciona, desde 12 de novembro de 2009, data da inauguração, quando este ar-condicionado, ligado sem testes prévios, inundou o arquivo e quase pôs a perder mais de 40 mil fotos(acervo Voz da Unidade). Quanto a Unicamp perderá com isso? Que riscos o Arquivo Edgard Leuenroth corre sem ar-condicionado? Dizem os chefes que nenhum? Então para quê um ar-condicionado de 600 mil reais (que não funciona, repitamos)?

AS EMPRESAS TERCEIRIZADAS DEITAM E ROLAM (E RIEM)




AEL mais uma janela caiu (1)

Upload feito originalmente por Jornal do Porão

OUTROS ARTIGOS SOBRE MESMO ASSUNTO:

00. Inundação na Biblioteca Nacional
atinge revistas e jornais antigos

01. MAUSOLÉU DE OURO, PIRÂMIDE BRANCA, emBORA…
02. Infiltrações no AEL, dentro e fora
03. Campus de Limeira, aos pedaços.
05. Pequeno Diário de Uma Tragédia Anunciada
06. FOTO Pequeno Diário de Uma Tragédia Anunciada


NADA É NEUTRO NEM MESMO A BRANCURA DA PIRÂMIDE BRANCA DO ARQUIVO EDGARD LEUENROTH…

30/09/2010



brancura da pirâmide branca do AEL 003

Upload feito originalmente por Jornal do Porão

<br /

Se for olhada pelos olhos de uma extenuada trabalhadora terceirizada.




terceirização coletivo Miséria 006

Upload feito originalmente por Jornal do Porão

Nunca limpou um chão quem mandou fazer um chão de granito clarinho num prédio situado num ermo, cheio de terra, pó, barro, folhas. Mas quem foi que mandou fazer este prédio para torturar trabalhadoras terceirizadas? Esta dolorida trabalhadora terceirizada é obrigada a ficar de quatro para esfregar sujeirinhas no chão e escadas e, pasmem, limpar portas, batentes e paredes, para deixar tudo branquinho como um manicômio ou como a sala de entrada de algum hospital de rico ou da entrada de algum céu imaginário. Porque raios não pintaram isso de outra cor? Porque diabos não repintam? Porque têm que ficar explorando, machucando e humilhando trabalhadoras? Mas quem foi que decidiu fazer um inferno pintado de branquinho para parecer a entrada de um ceuzinho? Ou é uma pessoa cínica ou brincalhona? Ou quem sabe é apenas uma pessoa que naturalizou tanto a exploração da sua empregada doméstica que quer transformar a Unicamp, e aqui o AEL, numa casa grande escravagista.

Numa reunião com todos os funcionários alguém falou, com toda sua autoridade professoral, que é “assim mesmo”. Não tem o que se possa fazer. E tem que ficar de quatro mesmo, se é necessário. Estas palavras tão violentas foram faladas num tom blasé do burocrata pertinaz. Eu fiquei desconcertado diante de tal naturalidade de senhor de engenho. Será que para o leitor adivinhar quem poderia falar assim como senhor de escravo? Tenho certeza que você não conseguirá. E tive medo de retrucar e fazer mais uma batalha desigual. Mas ali mesmo já tinha decidido contar esta história aqui no jornaldoporao, esperando que meu leitor seja de outra estirpe.

Você não vai acreditar ou nem vai se importar com informações tão comezinhas. A firma limpadora dá um paninho de 40 X 60 que não pára no rodo e a trabalhador tem que abaixar toda hora para ajeitar o pano no rodo. Pior, o pano não para porque o granito é liso demais. Informação boba, não. Mas não para a coluna desta trabalhadora que já é uma espécie de ovo saltado.

Depois do almoço as trabalhadoras terceirizadas que não têm onde ficar e descansar ficam deitadas em papelões ou em marquises de ponto de ônibus. A elite intelectual da Unicamp acha isto tudo muito natural, muito necessário, para que seu mundo continue o mesmo, que suas regalias, núcleos, centros e fundações continuem os fluxos de dinheiro e prestígios.

Isso em alguma importância para você? Se os trabalhadores terceirizados do mundo inteiro passam por coisas iguais ou pior. Porque ficar falando do AEL e da Unicamp. Porque não aceitar o que a maioria aceita e ficar quietinho cuidando da própria vida? Há colegas que calam em busca de um promoçãozinha. E dá certo, eles conseguem. Outros ficam coladinhos no chefe, trazem bolos de aniversário e dá tudo certo, eles se sentem afagados e cheios de si. Agora ficou bem claro que as trabalhadoras terceirizadas podem também participar de qualquer dos nossos ambientes. E com muita timidez, é claro, elas também ficarão contentes. Mesmo porque elas também acham de não tem jeito, que são e serão escravizadas de qualquer jeito. Mas que marxismo me permite aceitar isso?

Mas quase desisti de contar estas historinhas insípidas, normais, cotidianas. Todo mundo sabe que assim. Há pessoas que viram e sofreram coisas piores. No corte de cana de Ribeirão Preto em um único ano morreu 13 trabalhadores de exaustão. Aqui na Unicamp os marxistas acadêmicos, os revolucionários de blazer, vão lhe mostrar que as trabalhadoras terceirizadas, aqui na UNICAMP, são mais bem tratadas que na USP.Que nas indústrias os trabalhadores terceirizados são mais explorados ainda, tendo que pagar ônibus. Onde os capazes quase têm direito de vida ou morte. Os marxistas de cabelos enxampuados também vão lhe dizer que na China é muito pior. Vão demonstrar que o problema está no sindicalismo pelego e patronal. Vão tentar demonstrar que a terceirzação é inevitável. Que o Brasil e a Unicamp precisam explorar as trabalhadoras e trabalhadores terceirizados para desenvolver a ciência, coisa fundamental para o país, que o Brasil precisa de empresas terceirizadas para poder competir no mercado mundial de mercadorias. Bláblábláblá. Os marxistas de colarinho branco são realmente sábios e realistas!!!. Mas será porque então que eu leio Marx, Lênin e Trotski e fico cada vez mais revoltado?

Mas quase desisto de contar esta historinha banal e insípida quando me lembro que toda a classe média estudantil, todo mundo que chega ao Arquivo Edgard Leuenroth fica extasiado diante da brancura da pirâmide branca do AEL. Todo mundo fica maravilhado com as 30(trinta lâmpadas) que ilumina a sala branquinha da entrada, como se fossem mariposas.

Será que a trabalhadora terceirizada que hoje se arrebenta para manter esta brancura monumental também ficou petrificada com tal beleza?




brancura da pirâmide branca do AEL 006

Upload feito originalmente por Jornal do Porão

Assim como os judeus, a caminho do forno crematório, achavam que estavam indo para um banho em banheiros limpinhos. Num átimo e já estertorando, num lampejo de consciência envergonhada, viam que em vez de água do chuveiro saia gás letal. Mas todo mundo sabe que aqui ninguém morre. Elas podem até comer junto com a gente. E se adoecerem da coluna ou de qualquer outra coisa, todos os trabalhadores adoecem, sofrem e morrem. E se os trabalhadores terceirizados trabalharem bastante vão até aliviar o meu lado e trabalharemos menos e receberemos um salário 6 ou 7 vezes maior que eles. Como vêm nós não somos injustiçados. E temos que agradecer aos trabalhadores terceirizados por nos livrar nos trabalhos mais pesados.




CONTRA A TERCEIRIZAÇÃO (21)

Upload feito originalmente por Jornal do Porão

E eu continuarei defendendo, contra os burocratas, contra os privilegiados, contra os donos de escravo, na escravidão moderna chamada terceirização, que estes trabalhadores têm que ser incorporados imediatamente aos quadros do funcionalismo.




terceirização coletivo Miséria 006

Upload feito originalmente por Jornal do Porão

A luta no país inteiro e no mundo inteiro, de todos os sindicatos não traidores, de todos os partidos não traidores (como o PT é), todos os revolucionários, para serem dignos deste nome, terão que lutar pela efetivação imediata dos trabalhadores terceirizados e lutar, à morte, contra toda e qualquer terceirização. Sabemos que será uma luta violenta, pois o capitalismo hoje, para tentar amenizar a crise, terceiriza, escraviza e humilha.

DUAS NOTÍCIAS DO DIA SEGUINTE

A trabalhadora terceirizada está esfregando a brancura sozinha e gemendo de dores na coluna.

E hoje às 10 horas haverá manifestação no escritório da empresa terceirizada Centro que demitiu uma trabalhadora porque ela assistiu a um ato de protesto em frente ao restaurante, semana passada. E outras foram advertidas.

Na Assembléia de ontem o STU, o sindicato, depois de muita insistência, se comprometeu a acompanhar as manifestações.