Pequeno Diário de Uma Tragédia Anunciada

23/11/2009

Hoje quase não fiquei no serviço, tentanto articular alguma coisa. só para manter um certo diário das desgraças das terceirizadas, ao voltar às 16:20, tentei fechar um das janelas que estava semi-aberta e ela quase despencou, entortou e nunca mais fechará. Tinha e serralheiro presente, que tinha ido fazer um orçamento para um pequena grade. Ele tentou me ajudar, o que não adiantou e ele disse o seguinte: que já tinha alertado, aos responsáveis que aquelas janelas estavam todas erradas e ia todas cair, ele disse ainda que foi ele quem alertou e fez o serviço de rebitar as várias janelas da sala de pesquisa que iriam, inevitavelmente, cair na cabeça de alguém e pelo pesso seria catastrófico. O Arquivo então está cada vez mais devassável.

Mas pior, o ar-condicionado continua “inundando” o arquivo depois de 10 dias. Um das salas jorrava um quantidade razoável de água, não pingava não, jorrava mesmo, jorro aparado por um balde. Não sei como vai ser amanhã cedo, mas vou lá tentar fotografar (prevejo que vão deixar o ar desligado – apesar dos efeitos nefastos disso para o acervo, apesar de estar ligado, mesmo sem jorro, o acervo correria riscos, todos os dias, pois sem desumidificadores (ou portateis, ou sem o sistema integrado ao ar central) o acervo, principalente papeis que vão ficar úmidos. Estão ema cruz e a caldeirinha. É quase uma desfaçatez não denunciarem isso e exigirem providências urgentes. Este prédio novo, neste momento, é um risco permanente para nosso precioso acervo.

Mário Martins

 

 

ARTIGOS SOBRE O MESMO ASSUNTO:

00. Inundação na Biblioteca Nacional
atinge revistas e jornais antigos

01. MAUSOLÉU DE OURO, PIRÂMIDE BRANCA, emBORA…
02. Infiltrações no AEL, dentro e fora
03. Campus de Limeira, aos pedaços.
04. AEL mais uma janela caiu (1)
05. Pequeno Diário de Uma Tragédia Anunciada