Escalafobético. Um palavra bem escalafobética.

25/07/2012

Biblioteca Mário X-000.001

Há mesmo é literatura. O Exemplo, para mim, é “Marcelo Marmelo Martelo”, de Ruth Rocha. Lembro-me sempre deste livro com se o relesse a cada vez que topo com palavras que me fazem olhar o mundo diferente. Assim como murundum que minha mãe usava muito apropriadamente. Dá prazer de reler não porque vamos encontrar algo novo a cada leitura, mas é porque, é muito mais que uma anedota bem contada. Li,  muitas vezes, para crianças. É uma grande prazer ver nelas o riso dos mais risonhos. E ria o mesmo riso.

Não é o caso deste “Kafka, o criador de monstros”. O título achei ótimo. Mas o livro fala muito pouco de monstros. E quando fala da Metamorfose, fala de passagem. E não me lembro de qualquer outro monstro nos livros de Kafka. Pelo título achei que era um livro, dirigido a jovens, recontando a história da Metamorfose. Acho que este livro não vai fazer nenhuma criança  ou jovem a ler Kafka. Eu quando jovem fui levado a ler Kafka porque o Pasquim dizia que só era inteligente quem tinha lido. E glosava quem confundia Kafka com cafta. Fui ler a Metamorfose e tive revoltas mil, contra a estupidez familiar, contra o sistema. Mas eu tinha 17 anos e não doze como o personagem de “Kafka, o criador de Monstros”. Um livro não tem qualquer obrigação utilitária. Não acho necessário para que fosse um bom livro levar as pessoas a lerem Kafka, como parece ser a intenção dominante deste. O que também não julgo um defeito.   Espero apenas que seja uma história bem contada.

Como aqui não é um blog de crítica, mas de elogios, o que mais gostei do livro foi a própria capa. Tenho uma queda imensa por capas de livros e acabo, nos sebos, comprando pela capa, principalmente livros ilustrados, pois, geralmente, capricham nas ilustrações das capas. É um dos motivos porque fotografo as capas e as posto no blog. Este exemplar vou guardar por conta da capa.

Dois personagens falam sempre a palavra escalafobético.  O que o autor atribui à extravagância do personagem Júlio,  no que é imitado pelo personagem central  e ambos   usam a palavra o tempo todo. Em Marcelo, Marmelo, Martelo é memorável o humor, e mesmo toda a trama do livro de Ruth Rocha, baseado no uso das palavras, quando Marcelo questiona se são realmente apropriados os nomes das coisas, como por exemplo, travesseiro deveria chamar cabeceiro e cão, latildo. O final do livro de Ruth Rocha me lembra muito o desfecho de O Ensaio de Orquestra, de Fellini.

O autor propaga que escalafobético não é uma palavra usual, mas inventada por Júlio. O autor é de Porto Alegre, o menino Júlio também deve ser, e não devem saber que esta palavra é bastante usada em são Paulo. Não sei no resto do Brasil. Sei que é dicionarizada no Aurélio de 1986 como gíria brasileira. E o tão conservador  corretor de texto deste blog não acusa nenhum problema com a palavra. Bem diferente é  o que acontece com as palavras, realmente inventivas, criadas por Marcelo.  Se dicionarizada é porque o uso deve ser bem conhecido. Assim são os dicionários: eles acabam consagrando o uso. Mas não deixa de ser interessante colocar em circulação uma palavra tão chamativa, tão escalafobética.

……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

No dicionário Priberam da Língua Portuguesa, de Portugal, online, registra duas palavras, que tem o mesmo sentido de escalafobético , mas não registra a tal escalafobética. Fiquei matutando se a origem dessa gíria brasileira, conforme o Aurélio, não são estas palavras portuguesas com o mesmo sentido:


escaganifobético

(origem obscura)

adj.
1. [Informal]  Que mostra falta de elegância ou de agilidade. = DESAJEITADO, DESENGONÇADO ≠ DESTRO
2. [Informal]  Que é esquisito ou pouco convencional. = ESTRAMBÓTICO, EXTRAVAGANTE, RARO ≠ COMUM, CONVENCIONAL, TRIVIAL
Sinónimo Geral: ESCANIFOBÉTICO
escanifobético
(origem obscura)

adj.
O mesmo que escaganifobético.
Anoto também que o Aulete online  registra o vocábulo escalafobético.
Anúncios

Catálogo Biblioteca Mário

28/12/2001

Catálogo Biblioteca Mário

I. Literatura Brasileira
…..ANDRADE, Oswald …..
…..HILST, Hilda….
…..BRAGA, Rubem ….
….. ASSIS, Machado ….
….. CONTOS (coletâneas) ….

 

II. Literatura Estrangeira
…..DOSTOIÉVSKI, Fiódor …..
VII – Artes Plásticas
****Caricaturas e Charges****
****Grafites****
****Xilogravuras****
XIX – Mente Dolorosa

XXIII – Crime
****Tortura****