careta de CAZUMBA (livro)

29/03/2018
careta de Cazumba, de Maria Mazzillo, 2005-capa.

careta de Cazumba, de Maria Mazzillo, 2005-capa. Maranhão de Amanda.

“À meia-noite de cada 23 de junho, véspera do dia de São João, começam os festejos, que vão até o dia 30, celebração de São Marçal…
Para o Cazumba é importante que, a cada ano, a careta supere a do ano anterior, mudando de expressão, mostrando invenção….Os ritmos das músicas são chamados ‘sotaques’ e, num deles – O da ‘Baixada’ – surge a figura do Cazumba…
“Pois é desses artistas que trata o livro Careta de Cazumba, que aborda o trabalho dos fazedores de máscaras, suas transformações, sua tradição, sua atualização e suas adaptações ao longo das últimas décadas” – careta de Cazumba, fotografias de Maria Mazzillo, textos de Daniel Bitter, Gustavo Pacheco e Maria Mazzillo.

careta de Cazumba, de Maria Mazzilo, pág. 61

careta de Cazumba, de Maria Mazzilo, pág. 61 – Maranhão de Amanda.

“Careta ou Máscara? Por trás destes sinônimos parece esconder algo mais que uma variante verbal. Como diz Seu Abel, um dos mais importantes fazedores de careta de São Luís, máscara quem usa é o fofão, referindo-se ao tradicional personagem do carnaval Maranhense” – pág. 9

careta de Cazumba, Maria Mazzillo-pg.51

careta de Cazumba, Maria Mazzillo-pg.51 – (Maranhão de Amanda)

“No Maranhão, a brincadeira de boi é conhecida como bumba-meu-boi ou simplesmente bumba-boi. É a mais importante e difundida festa popular do estado…Em sua riqueza e variedade, o bumba-boi maranhense é ao mesmo tempo festa profana e devoção religiosa, unindo as algazarras e a bebedeira com o culto aos santos católicos, especialmente São João. Dentro do universo do bumba-boi , convivem muitos estilos e gêneros diferentes, chamados sotaques: Sotaque da Ilha, Sotaque de Orquestra, Sotaque de Zabumba… Cada sotaque representa um jeito diferente de brincar; com características próprias(dança, repertório musical, roupas, etc.) Um desses sotaques é o Sotaque da Baixada…
Chama-se Baixada Maranhense a região a oeste e sudeste da Ilha de São Luís…”-pág. 13

……………………………………………………………………………………………………………………………………………

Artesão Abel Teixeira - Foto Neidson Moreira (O Imparcial)

Artesão Abel Teixeira – Foto Neidson Moreira (O Imparcial) (Maranhão de Amanda)

“Eu Comecei a fazer careta em 59. Era só pano branco. O Nariz eu fazia solto, balançava para todo lado, a boca pregava assim como se prega ainda hoje, não tinha enfeite, não tinha brilho nenhum. E se fazia uma de cada vez, só prá brincar…A gente vendia o arroz na palha, sem cortar, pra ter aquele dinheiro para comprar o pano. Alguns tinham mais condição, tinham um boi ou um porco pra vender. Mas quem não ginha, tinha que vender o arrozinho na palha” – depoimento de Abel Teixeira, pág. 27 de careta de Cazumba, 2005.

“A Gente brincava cinquenta, sessenta cazumbas num terreirão bonito, todos com caretas simples…
“Na hora da reza, pra atrapalhar o rezador, a gente fazia essas estripulias. Enquanto o pessoal tava rezando a gente tava fazendo toda essa macacagem. Trepava no alto do barracão, arrancava palha, gritava que queria fazer cocô” – idem pág. 28

Bumba-meu-boi de Turiaçu, MA (povoado de cruzeiro)

Bumba-meu-boi de Turiaçu, MA (povoado de cruzeiro) (Maranhão de Amanda)

4. BRIGIDO SARAIVA (função Pai Francisco).

Pai Francisco

Pai Francisco (Maranhão de Amanda)

“Antigamente Cazumba era sujo, era pra rolar no chão. Quando comecei a brincar, a gente entrava com uma farda estampada limpinha na boca da noite, mas amanhecia que nem porco, de se rolar pelo chão…Agora os cazumbas não podem esbarrar na terra…” – careta de Cazumba, pág. 53 – depoimento de Brigido Saraiva.
“O Cazumba e o Pai Francisco são a mesma coisa, só que o Pai Francisco é o que toma conta de tudo. O Pai Francisco é o responsável pelos cazumbas. Na hora de estar brincando a gente não diferencia quem é o cazumba e quem é o Pai Francisco. Só vai saber na hora da morte do boi, porque ai os cazumbas se afastam e fica só o Pai Francisco e um ou dois cazumbas junto com ele para ajudar”
“O Serviço do Pai Francisco é na hora de fazer a matança do boi, de madrugada. O primeiro papel dele é o balanço do baoi. Aí balança até a hora de arriar no chão. O Pai Francisco botando verso e os outros cantando o estribilho . Depois que arreia o Boi no chão. Pai Francisco vai tirar a língua do boi. Depois que tira, cada corte é um verso. Tem dezoito versos na hora de balançar o boi, depois o Pai Francisco tem outros nove versos para tirar a língua do boi” – pág. 55.

Um dos Versos:

“Meu amo, eu vou lhe dizer
Que essa língua eu tiro agora
Inda tem sete palmos pra dentro
Eu já puxei só quatro pra fora”

………………

Blog do Simão Pessoa. http://simaopessoa.blogspot.com.br/2016/07/o-garrote-luz-de-guerra.html

Matança do boi-blog Luz de Guerra: O Amo do garrote Luz de Guerra, o moleque Xerxes, filho mais velho de Mestre Maranhão. Blog do Simão Pessoa (Maranhão de Amanda)

CAZUMBINHA: Cassiano, cazuminha do Boi da Floresta.

“Meu nome é Cassiano Pereira, vou fazer 15 anos. Eu brinco no boi há cinco anos, de Cazumba, e prá mim é uma honra estar participando da cultura do Brasil” – pág. 157

Estudos sobre o fotógrafo Marcel Gautherot: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-47142005000200004 ////////////////////////////http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-47142014000100011

Marcel Gautherot – 1948-1950 – acervo do instituto Moreira Sales. (Maranhão de Amanda)

………………………………

links

1.MARANHÃO DE AMANDA(Não é o de Zé Sarney que seria odiável. É o Maranhao de Amanda que é amorável, amável, digno de ser amado.. Significado do Nome Amanda
Amanda: Significa “digna de amor”, “amável”, “aquela que deve ser amada”.

2.CAZUMBÁ – CAZUMBA, Bumba-meu-boi do Maranhão.
3. Abel Teixeira
4. A coleção fotográfica de Marcel Gautherot -Lygia Segala
Faculdade de Educação e Programa de Pós-graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense
5. Marcel Gautherot na revista Módulo – ensaios fotográficos, imagens do Brasil: da cultura material e imaterial à arquitetura1.Heliana Angotti-Salgueiro
6. Blog do Simão Pessoa


CAZUMBÁ – CAZUMBA, Bumba-meu-boi do Maranhão.

28/03/2018
CAZUMBA GRANDE - do artigo 'O Misticismo dos Cazumbas' - post jornaldoporao

Maranhão de Amanda. Do artigo ‘O Misticismo dos Cazumbas’.

……………………………………………………………………………………………………………………………………………..

link

1. O Misticismo dos Cazumbas :

Frases retiradas do Artigo (1):

“Ligados ao lado místico do bumba meu boi, os cazumbas são personagens encontrados, mais comumente, nos grupos de sotaque da baixada. Alguns atribuem a eles a função de “varrer” o terreiro antes da chegada boi, expulsando, assim, os maus espíritos”(1)

“De acordo com a pesquisadora e professora da Universidade Federal do Maranhão, Elisene Castro Matos…“Eles não se veem com este caráter mais voltado para o espiritual, como costumamos pensar. É claro que o uso da máscara favorece. Ali eles se sentem protegidos. De uma maneira geral, o uso das máscaras sempre desperta a imaginação das pessoas”, destaca a pesquisadora.” (1)

 “O cazumba é também um dos personagens mais livres e que mais interagem com as pessoas. “Eles gostam de brincar com as crianças, de chamar o povo para a roda e até mesmo de assustar com suas caretas”, diz Nadir Cruz. Em décadas passadas, no entanto, esta função era mais acentuada. “Eles chegavam a rolar no chão, faziam muitas estripulias”, diz Elisene Castro.” (1)

“Além da careta, o cazumba traz consigo o chocalho, responsável por marcar o passo da dança e alguns, em especial nos bois dos municípios da Baixada, têm ainda uma espingarda de madeira. Para dar movimento aos quadris usam, por baixo da roupa, um cesto ou cofo de palha amarrado à cintura.”(1)

“Já no Boi da Floresta, a participação feminina é maior. Dos 28 cazumbas, pouco menos da metade é mulher. “De uma forma geral, não há preconceito. Embora a maioria ainda seja de homens, as mulheres participam e isso é algo que não se pensava em anos atrás”, diz Nadir Cruz, do Boi da Floresta.”(1)